MALDONADO NA LOTUS | Blog do Flavio Gomes | F1, Automobilismo e Esporte em geral
MENU

quinta-feira, 31 de outubro de 2013 - 13:33F-1

MALDONADO NA LOTUS

SÃO PAULO (é só aguardar) – Esperemos agora pela agenda de cada equipe, pelo momento que achar mais apropriado para divulgar. Maldonado fechou com a Lotus, como informa o Américo Teixeira Jr. Conseguiu resolver as pendengas com a PDVSA, que deve pagar uma compensação para a Williams para rescindir o contrato que ainda teria mais dois anos de duração. O venezuelano leva a grana da estatal petrolífera para o time preto-dourado, que anda mal das pernas financeiramente. E um troquinho fica em Grove, o que vai ajudar a pagar Massa.

Vai ser interessante a dupla Grosjean-Maldonado. Daquelas que podem dar muito certo, ou muito errado. Pastor está faminto. Depois de sentir o gostinho de uma vitória no ano passado, nesta temporada se arrasta com uma porcaria de carro. O ambiente dele na equipe é péssimo e ficou ainda pior quando foi para cima de Bottas na última volta do GP do Japão numa briga por nada. Meio bronco, não vai pensar duas vezes se tiver de bater roda com Romain.

Como dizíamos segunda-feira, pobre Hülkenberg. Nessas, o alemão bom de braço e ruim de bolso vai acabar na Force India. Ou na McLaren, mas essa hipótese me parece, neste momento, mais remota.

57 comentários

  1. Peter Perfeito disse:

    Entendam de uma vez por todas: O HULKENBERG NÃO PERDEU A VAGA NA LOTUS PRA NINGUÉM!

    O Hulkenberg é piloto da Sauber.

    E o Maldonado não é o vilão da história da F1 se está arranjando uma forma de sair da Williams-bagunça para uma equipe melhor organizada, que tem um carro melhor.

    Se está levando grana com seu patrocinador, sorte dele. Mas ele não está encerrando a carreira de ninguém!

    Sim, o Hulkenberg vem mostrando ser ótimo piloto, promissor. Vamos torcer para que, se não em 2014, em 2015 tenha assento numa equipe de ponta!

    Chega de mimimi!!

  2. David Santos disse:

    A se confirmar a ida do Pastozito para a Lotus eu gostaria que os meus colegas aqui me tirassem algumas duvidas: Com as novas regras, a Formula 1 ficará mais dependente de um bom acerto mecânico ficando assim dependente (apesar da tecnologia) da sensibilidade do acerto do piloto? Será que Pastozito e o Salsicha tem o chamado feedback para que os seus engenheiros possam “refinar” o acerto de seus bólidos?

    • Paulo Pinto disse:

      Se o carro for “bem nascido”, os computadores (via telemetria) se encarregarão, com alguma ajuda dos pilotos, de executar a “sintonia fina”.

      • Luis Vieira disse:

        Antigamente esse fator “piloto experiente bem para ajustar carro” era de grande importancia. Hoje com toda eletronica/telemetria, etc… Esse fator tem MUITO menos peso. Por isso temos visto varias equipes nos ultimos anos “despresando” certo pilotos experientes e teoricamente “bons de mecanica” pra pegar molecada “boa de grana”.

  3. david Oaks disse:

    Maldonado na Lotus é dose! Desperdício de assento. Se a Lotus andar nas cabeças ano que vem, prevejo acidentes estúpidos do Maldonado envolvendo os seguintes pilotos: Hamilton, Raikkonen, Grosjean.

    O Maldonado não passa de um r*%¨*$*$# em um carro a mais de 300 km/h. Se o apelido “idiota veloz” cai bem em um piloto, esse alguém é o venezuelano.

    Ele é simplesmente reckless no pleno sentido pejorativo da palavra; não se importa em espalhar com o carro pra cima de alguém, é um bosta n’água. Essa é a verdade. Deveria estrelar o jogo Super Maldonado Kart, baseado na franquia Mario/Nintendo.

    Pra quem argumenta que ele é bom pq já venceu corrida, lembrem que Patrese, Herberth, Panis e Trulli também já venceram. E? São tão ruins quanto. E foram todos insuficientes perante a ponta do grid em suas épocas. Tem o Irvine tb…

    Maldonado deveria era ter um minicurso com caras como Button, Hamilton, Raikkonen, e até mesmo o Massa, que sabem promover disputas de posição duras, mas leais.

    Grande injustiça para com o Hulkenberg, não o fato de ser preterido na Lotus, mas o fato de não haver uma equipe decente para oferecer emprego. Se ninguém tem dinheiro nessa merda, corta as bostas dos custos logo e f@*#-$&. Ou fecha geral e fica só quem dá conta de desenvolver (4 equipes em tese). Já encheu nego todo ano reclamando de falta de dinheiro. Bons tempos eram os de três carros numa mesma equipe.

    • Ron Denis disse:

      Mas o Maldonado tem uma vitória e tem grana
      O Hulk não tem nenhum dos dois

      Se fosse questão justiça o contratado deveria ser o Barrichello
      que foi bem melhor que os dois, em pontos, ritmo de corrida e treinos

      • david Oaks disse:

        Não é uma questão Hulk x Maldonado. É a questão de um cara como o Hulk se destacar tanto dentre o segundo escalão e não receber uma chance. O Maldonado compre a vaga que quiser, afinal, tá no jogo. Mas uma equipe de ponta não oferecer nada pra um piloto como o Hulkenberg é uma lástima.

        ==

        Por questão de justiça era pro Barrichello ter se aposentado em 2008, quando a Honda fechou. Bom piloto ele era, mas já estava, e está completamente passado pra esse esporte. Ele teve o momento dele e não conseguiu nada. E isso se deve principalmente às próprias escolhas. Teve chance de assinar com Williams e McLaren, mas preferiu ir pra Ferrari, achando q ia bater o Schumacher. Depois ainda teve as manhas de ficar por 5 temporadas nessa mesma equipe, em que era público e notório que não sairia nada dali pra ele.

        E por causa de caras passados pra F1 é que vemos jovens com potencial ficarem pelo caminho. Massa, Webber, e mais alguns estão aí pra provar isso.

  4. Douglas Amorim Pereira de Arruda disse:

    Esperaremos o anuncio cientes de que toda semana tem uma sexta-feira.

  5. nivaldo disse:

    Tenho a certeza que essa historia do Massa na williams nao vai…

  6. Paulo Z disse:

    Hulk, meu filho, a F1 não te merece! Vai pra Indy, DTM, WEC…..

  7. Ferrarista disse:

    E se em 2014 a Williams renascer das cinzas e der a volta por cima, no melhor estilo Brawn GP, com um carro imbatível? E se a Lotus errar feio no projeto do carro e virar retardatária ano que vem?? O Pastor vai ficar mutcho putchu se isso acontecer =D

  8. Alexandre Werner disse:

    Sensacional. Grosjean e Maldonado juntos. 2014 já começa com uma atração a parte.

  9. Galba disse:

    CURIOSO PRA VER QUE MERDA VAI DAR!

  10. Igor Dusse disse:

    Eu li alguns comentários e não concordo que o Hulkemberg esteja em um nível mais alto que Grosjean ou Maldonado. Nada que ele mostrou este ano mostra alguma coisa muito diferente. No ano passado Kobayashi mostrou muitos mais resultado e performance nesta mesma Sauber e ficou a pé (olha que Japonês é baixo e leve).

    Com este problema de dinheiro apresentado pela Lotus e seus inumeras indefinições, provavelmente o desenvolvimento do carro de 2014 deve estar atrasado em relações a outras equipes. Duvido nada que no próximo ano a Sauber ou Force India apresentem carros melhores.

  11. Guilherme disse:

    Enquanto isso o Felipe Nars…quietinho quietinho….hummmm sei não..ou rodou ou está dando o bote do século na Mclaren

  12. Marcelo disse:

    Muitos ” filhinho de papai ” já corriam na década de 60, como não existiam patrocinadores a coisa ficava meio camuflada…

    A fama de “pagante” começou a partir da década 70 com a entrada de patrocinadores, só que a coisa era em menor escala comparada as décadas seguintes. Um bom exemplo foi Gijs van Lennep, através do patrocinador Marlboro, ele correu para o time Iso-Marlboro de Frank Williams, com o qual obteve um ponto em Zandvoort. Isto marcou a primeiro ponto para a equipe Williams em um GP.

    Gijs van Lennep
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Gijs_van_Lennep

    Lauda no inicio da carreira, pediu empréstimos bancários para chegar à March, em 1971, e depois à BRM, em 1973. Depois, o seu talento fez o suficiente para que o seu companheiro de equipe, Clay Regazzoni, o recomendasse a Enzo Ferrari, que o contratou no inicio de 1974. Conta-se que com o salário que a Scuderia lhe deu, foi mais do que suficiente para pagar as suas dívidas aos bancos. Mas o fato é que Lauda teve que pagar para correr no início na Formula 1.

    Peter Revson que também correu nos anos 70, nasceu numa abastada família judia, fundadora dos Cosméticos Revlon. A fortuna da família estava, na altura de sua morte, avaliada em 1 bilhão de dólares. Nesse caso, o rapaz nem precisava de patrocinadores, bancava do próprio bolso da mesma forma que Pedro Paulo Diniz fez nos anos 90, nenhum deles se interessou em colocar o nomes Revlon e Pão de Açúcar em seus carros, o que importava era correr.

    Para Elio de Angelis a Fórmula 1 também veio rápido, em 1978 com um teste para a equipe Shadow, com a qual assinou o contrato para disputar a temporada seguinte. Suas origens, no entanto, mostravam Elio como mais um piloto rico, que só garantira um lugar na Fórmula 1 graças à generosa ajuda financeira de seu pai. Seu desempenho na pista revelou um piloto de certo talento, capaz de dominar facilmente a complexidade dos carros-asa, presença marcante na categoria naquela época. No entanto, Elio não teve talento suficiente para brigar por títulos com feras do nível de: Piquet, Lauda, Prost, etc…

    Pra quem vive “carregando caminhões de merda” pelos pilotos dos anos 80, dizendo que nessa época não existia pagantes, Elio é apenas o início, observem abaixo.

    Nos anos 80 a coisa se multiplicou, haviam pelo menos 9 equipes “nanicas”, basta observar a temporada de 1987, pilotos pagantes era o que não faltava em times pequenos.

    Temporada de Fórmula 1 de 1987
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Temporada_de_F%C3%B3rmula_1_de_1987

    Basta separar os times ricos(de fábricas ou bancados por fortes patrocinadores), pra perceber quem pagava ou não pra correr.

    Em 1987, Williams/Mclaren/Lotus/Ferrari/Benetton seriam hoje RBR/Ferrari/Mclaren/Lotus/Mercedes.

    No meio do pelotão, Tyrrel/Arrows/Brabham seriam hoje Sauber/Force India/Williams, equipes que dependiam de pilotos pagantes.

    A seguir vem as “nanicas” sem grana dependendo na maioria de grana dos pilotos(ou com boa experiência em final de carreira, caso do ex-campeão Jones na Lola em 86): Brabham/Lola/Zakspeed/Ligier/AGS/March/Minard/Osella/Coloni já estavam tudo em condição de nanicas. Em 2013 temos apenas duas nanicas: Marussia e Caterham(Williams que se cuide).

    A coisa era tão discrepante em 87 que existia até o Troféu Jim Clark (para pilotos com motor aspirado), vários times sequer podiam sonhar com o caríssimo motor turbo.

    Bom lembrar, Nakajima entrou na F-1 apadrinhado pela Honda, logo, a nacionalidade também pesou! Politicagem sempre existiu na Formula 1, os casos de Fangio e Maldonado são semelhantes, dependeram de governo do país pra entrar no mundial.

    Abaixo, outros exemplos de pilotos pagantes nos anos 80, não tem como colocar todos, a lista é muito grande. Dizer que a Formula 1 de hoje tem muitos pagantes no meio e fundo do pelotão, chega ser hilário, isso sempre existiu na Formula 1.

    No meio do campeonato de 1980, Héctor Alonso Rebaque foi piloto da Brabham substituindo o argentino Ricardo Zunino e tendo como companheiro de equipe o brasileiro Nelson Piquet. O piloto mexicano trouxe para a equipe o patrocínio da petrolífera mexicana PEMEX. Rebaque permaneceu na equipe para a temporada de 1981 conseguindo seus melhores resultados dentro na categoria.

    Slim Borgudd foi um ex-piloto de Fórmula 1 da Suécia que correu pelas equipes ATS e Tyrrell. Antes de ser piloto, Slim era baterista, tendo inclusive feito trabalhos para o grupo sueco Abba. Ou seja, automobilismo era um passa-tempo, como era famoso, teve facilidades pra chegar a F-1.

    Andrea De Cesaris, era filho de um comerciante riquíssimo, que mais tarde se tornou representante da Marlboro na Itália(precisa falar mais alguma coisa?), o italiano começou a sua carreira nos karts, onde se tornou um rei das pistas. Com apoio da Marlboro, sempre conseguia uma boa vaga na F-1.

    No ano de 1987, De Cesaris foi para a Brabham que dependia de um patrocinador para disputar todas as provas, na época a Brabham já se encontrava em irreversível estado de decadência. Na véspera do encerramento das inscrições, o italiano chega ao Rio de Janeiro com o patrocínio na mão (naquela época, o Grande Prêmio do Brasil era disputado em Jacarepaguá), e vai logo para a pista. Eddie Jordan queria o piloto romano para o campeonato de 1992, mas o novo patrocinador do time irlandês era a Barclay, o rival da Marlboro, De Cesaris não podia ficar.

    Jan Lammers, com o título da F-3 europeia em mãos iniciou sua carreira na F-1 pela equipe Shadow, que já estava em seu estágio final na categoria-mor do automobilismo. Com o apoio dos cigarros Samson (que chegou a estampar um leão na frente do carro), o holandês dividiria o monoposto com o jovem italiano Elio De Angelis. Curiosamente, durante os treinos para o GP de Detroit 82, o acelerador de seu Theodore fica preso e Lammers bate no muro, fraturando o polegar. Após o GP da França, Lammers perde a vaga na Theodore depois que o irlandês Tommy Byrne apareceu com um patrocínio satisfatório, Lammers fica sem correr durante o resto do ano.

    Com o apoio da Cerâmica Imola, Alboreto é convidado para um teste com a equipe Tyrrell, em 1981. Completou algumas voltas e logo foi contratado para substituir o argentino Ricardo Zunino no Grande Prêmio de San Marino. Foram dez corridas e um 9º lugar no Grande Prêmio da Holanda, em Zandvoort, como melhor resultado.

    Alboreto foi sondado pela Williams, mas as negociações não progrediram e o piloto italiano voltou para a Tyrrell em 1989. Apesar dos problemas, conseguiu o 5º lugar em Mônaco e o 3º no México (último pódio na carreira). Fazia grande apresentação nos Estados Unidos e foi obrigado a abandonar a corrida com problemas na transmissão. Alboreto saiu no meio da temporada com problemas envolvendo a equipe e seu patrocinador. Antes do Grande Prêmio da França, Ken Tyrrell aceitou o patrocínio da Camel.

    “Não gosto de quebrar contratos e pedi para a Tyrrell conversar com a Marlboro. Mas Ken disse que o problema era meu.” – revelou Alboreto, que aceita o convite da Larrousse-Lamborghini para disputar a pré-classificação no final do ano.

    Para o GP da França 89, Ken Tyrrell dispensava Alboreto e convocava o francês Jean Alesi, vindo da Fórmula 3000 Internacional e com o patrocínio da…Camel.

    Thierry Boutsen, em 1983 arranjou 500 mil dólares em patrocínios e comprou um lugar na Fórmula 1, ao serviço da Arrows. A sua primeira corrida foi no seu GP natal, em Spa-Francochamps, onde não chegou ao fim. No resto da temporada, o melhor que conseguiu foram dois sétimos lugares. Thierry, então com 26 anos, não pontuou na sua primeira temporada.

    Schumacher foi bancado por uma corrida(GP da Bélgica), no valor em torno de 300 mil dólares, mas esse alemão já chegou como fora-de-série ao volante, com apenas uma classificação chamou atenção de ninguém menos que Flávio Briatore. Logo o alemão foi contratado para ser titular ao lado de Piquet na Benetton. Se o piloto é fora-de-série, o apoio financeiro no começo da carreira fica em segundo plano, vimos isso com Fangio bancado pelo governo argentino, mas é bom lembrar, o argentino sempre pegou time de ponta na F-1. Maldonado não deu essa sorte, com um carro eficiente a coisa seria bem diferente da Williams…

    Bertrand Gachot tinha uma estrutura profissional, com todo o suporte do patrocínio da Marlboro – que era uma espécie de Red Bull, a Marlboro bancou cifra altíssimas em cima de vários pilotos nos anos 70/80/90, poucos se destacaram.

    O dia em que Gachot abriu vaga a M.Schumacher na Jordan!
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Bertrand_Gachot

    Rubinho foi outro caso, ele sempre teve apoio da Arisco desde o Kart. Em 1995 trocou a forte Arisco pela gigante Pepsi(patrocínio em torno de 3,5 milhões de dólares), depois Rubens teve apoio da Davene, Nokia e NET até 1999. Rubinho foi piloto pagante na Formula 1 entre 1993 e 1999, mas se o piloto conseguiu apoio é porque alguém botou fé, ou seja, valeu a pena o investimento! Mesmo caso é com Chilton atualmente, seu pai esta investindo no filho, nada mais natural, se o dinheiro é limpo tudo bem…

    Ayrton Senna por mais talentoso que foi, nos tempos de kart era taxado como filhinho de papai(chegava as corridas de Mercedes e motorista. Senna ao contrário da maioria dos rivais tinha vários chassis e motores novos nos boxes), e pra competir nas categorias de base na Europa, Senna dependeu de dois bancos(Nacional e Banerj). Sem esse forte apoio ele nunca chegaria a Formula 1. Estamos no planeta terra e não em um paraíso, quem pode mais chora menos…

    Histórias de pilotos sendo “apoiados” são as mais variadas por toda Formula 1, basta pesquisar e ver que isso sempre existiu, uma delas aconteceu com Paulo Carcasci que quase correu no lugar de Rubinho na Jordan.

    Paulo Carcasci e as aventuras no exterior

    _Essa história da Larrousse eu não conhecia. Foi uma negociação direta com o Gérard Larrousse?

    Sim, a gente trocou Fax, Telex, uma coisa assim – não era e-mail ainda, né? -, mas é sempre assim: “Tudo bem, estamos interessados, queremos você, mas precisamos de grana”. Até com a Jordan, na época em que o Rubinho [Barrichello] ainda estava lá, acho que em 94, ele tava pra sair da Jordan e o Geraldo Rodrigues, que era o manager dele, falou: “Bom, vâmo lá, Paulo, porque o Rubinho vai sair e nós vamos pôr você no lugar dele”. Eu fui pra Hungria [no fim de semana do GP] conversar com o Eddie Jordan. Conversamos e, aproveitando que a gente estava lá, o Geraldo me levou pra conversar com o Peter Sauber, mas acabou não funcionando toda a estratégia que ele tinha, em termos de patrocínio. Porque o Rubinho estava pra ir, se eu não me engano, pra McLaren, e não poderia levar os patrocinadores, Arisco e Pepsi. Então esses patrocínios ficariam na Jordan e eu aproveitaria esses patrocínios e iria correr. Era mais ou menos esse o projeto todo e eu era o piloto para seguir levando os patrocínios do Rubinho na Jordan. Mas também não deu certo.

    Aceitem a Formula 1 como ela sempre foi, é um “puxando o tapete do outro”, isso também acontece(de outra forma) entre os grande pilotos. Basta ver os casos de Jones-Reutemann, Villeneuve-Pironi, Prost-Arnoux, Piquet-Mansell, Prost-Senna, Alonso-Hamilton. Nesses casos, o que interessava era a supremacia de liderar o time sozinho, no fim tudo acabou em brigas. Nenhum piloto de ponta quer ser incomodado, principalmente se o companheiro é do mesmo calibre. No geral, sempre um é líder e o outro apenas compõe o time pra somar pontos para o mundial de construtores…

  13. Ron Denis disse:

    E quem vai sair da Force India ? e se sair vai pra Sauber ou roda ?
    E o Massa deve ir para a Williams mesmo.

  14. Marcelo disse:

    Maldonado conseguiu pole e vitória na mediana Williams em 2012! Felipe Massa não sabe o que é isso a cinco anos na Ferrari. Após 36 corridas pela Lotus, Grosjean conseguiu 8 pódios(cinco esse ano, Felipe só tem um). Em sua recuperação, a partir de 2010, Felipe só conseguiu 8 pódios. Chega ser patético tirar sarro de Maldonado e Grosjean, Brasil esta “raspando com a unha” e ninguém percebe, não temos moral pra criticar ninguém.

    Não é vergonha levar patrocinadores para a equipe, isso é complexo de cachorro vira-lata, brasileiro que inventou essa merda. Barrichello foi piloto pagante por sete anos na Jordan e Stewart, foi bancado por Arisco, Pepsi(patrocínio em trono de 3,5 milhões de dólares, uma fábula na época), Davene, Nokia e NET, mas se alguém esta bancando é porque acredita no talento do piloto. Tanto que Rubens conseguiu vaga no segundo carro da Ferrari, pode não ser muito, mas Raikkonen não trocou a liderança na Lotus para ser número dois na Ferrari. No mínimo, o espanhol não vai ter vida fácil em 2014…

    Fangio foi bancado pelo governo da Argentina da mesma forma que Maldonado hoje é bancado pelo governo da Venezuela. Só que Fangio sempre pegou equipe de ponta, Maldonado não deu essa sorte…

    Nosso problema na Formula 1 não é chegar como piloto “pagante”, é muito mais grave, nosso país não apoia sua gente. E que culpa tem a Formula Um? Estamos disparando nosso ódio em quem não tem culpa.

    Carlos Slim banca seus compatriotas na Formula 1, Gutiérrez e Pérez! Maldonado é bancado pelo governo de seu país. Grosjean tem apoio da Total francesa(Total adquiriu a Elf em 2000 passando esta a ser uma marca do grupo), e assim vai. Nos anos 70 e 80 vários pilotos franceses foram bancados pela Elf, Prost começou com uma “bolsa” oferecia pela Elf nas categorias de base, era o prêmio para quem se destacava.

    Precisa dizer como vai as categorias de base no Brasil?

    O que o “nosso” país fez nas últimas décadas para ter outro grande piloto na Europa, merecemos ter outro campeão na Formula 1? Brasileiro é muito “mente fechada”, estamos falando de um campeonato mundial, vários países apoiam seus pilotos. Observem a Alemanha, tudo começou na foto abaixo:

    Só alegria…putaquepariu!!!
    http://i35.servimg.com/u/f35/14/65/63/78/hhf210.jpg

    Não adianta ficar no mimimi, para Airton Senna chegar a Formula Um, primeiro teve que passar pelas categorias de base, sem o forte apoio dos bancos Banerj e Nacional, Senna nunca chegaria a Formula 1. É assim que funciona, não estamos em um “paraíso”, e sim no planeta Terra, quem pode mais chora menos…

    A coisa esta tão ridícula que Pietro Fittipaldi esta sendo bancado por Carlos Sim, pelo menos, Pietro não nasceu no Brasil, é americano…mas esta “jogando pra torcida”, corre com a bandeira do Brasil. Só posso dar risada de tudo isso, Brasil é mesmo o país do faz de conta, então, que o americano represente o Brasil. Bom lembrar, aquelas medalhas do Cielo é conquista dele e do USA, porque se fosse depender de apoio do Brasil, puta que pariu, tava fodido! Alguém se lembra o que disse Cielo após o “ouro” olímpico? Ele desceu a lenha por falta de apoio, depois tomou uma dura CBN e voltou atrás. Eu no lugar dele descia mais a ripa…

    Ahhh se o Nelson Piquet estivesse no lugar do Cielo…

    “As sete trombetas seriam tocadas por sete demônios descrita no Apocalipse”

    Deixem Maldonado e Grosjean terem suas chances, Felipe Massa teve quatro temporadas pra se recuperar na Ferrari e só foi fiasco, basta ver as posições no mundial desde 2010.

    Boa sorte a Maldonado e Grosjean, vai ser muito interessante ver Maldonado em time melhor, Grosjean já esta calando os críticos, e eles merecem, mas nunca aprendem…

  15. Marcio Vieira disse:

    o Maldonado é bom piloto e deixou de fazer asneira.
    mas acho que a Lotus voltará a ser 5a. força porque a McLaren não passa 2 anos fazendo besteira.

  16. Allez Alonso! disse:

    Acho que o Grojã evoluiu mais que o Maldonado. Se o venezuelano reclama que o Bottas está sendo favorecido, não pense ele que será diferente na Lotus, Grojã vai engolir Pastor. Bottas também tem feito uma boa temporada, consistente e sem erros vem andando sempre na frente na Maldonado.

  17. Daniel Chagas disse:

    Não sei aonde a Fórmula 1 vai chegar. Um piloto da qualidade como o Hulkenberg perder a vaga para um piloto medíocre como esse Maldonado por causa de dinheiro é o fim da picada!!!

  18. J. Floriano disse:

    Esse tipo de postura da Lotus põe em dúvida se realmente era o melhor assento disponível para 2014, pois mostra o desespero e o despreparo técnico que se encontra a equipe. Imaginar um novíssimo bom carro com uma base dessa?! Esquece

  19. Boca disse:

    Dois bons pilotos, apesar de pagantes, com cada um querendo mostrar serviço e ocupar seu espaço. Dupla mais parelha do grid para o ano que vem.

    Se fizerem um carro “honesto”, vão sempre beliscar pódios, quiçá vitórias.

    Boa sorte a ambos.

  20. Luiz G disse:

    Considerando que a McLaren tá fazendo doce pra confirmar o Perez ano que vem, será que Massa consegue uma vaguinha na McLaren?

    Melhor se arrastar na McLaren do que se arrastar na Williams…

  21. Rafael Chinini disse:

    como já discutiram. acho que não há problema em ter pilotos pagantes…mas acontece umas coisas que porra, dói na alma!
    uma Lotus com Groselha e Maldonado por causa de dinheiro, Massa na Williams, e Hulk ótimo piloto pode ficar fora.
    acho uma dupla fraca pra Lotus

  22. Leonardo Lago disse:

    Que bosta de esporte é esse em que Ricciardo, Maldonado e Grosjean dirigem carros de ponta, mas Hulkenberg não encontra assento?

    Aliás, Fórmula 1 é mesmo um esporte?

    • Seinfeld disse:

      Vá saber das limitações do carro que pilota e dos resultados do Ricciardo (e até do Vergne) e depois venha dar sua “opinião”.

      Que “bosta de esporte” é esse que algumas pessoas NÃO GOSTAM mas que não deixam de dar palpite?

      Será que a “bosta” é o esporte mesmo?

      • Zé Maria disse:

        Desculpa aí, Seinfeld. . .
        Mas o Ricciardo é dose!!!
        Quando muito serve como garoto-propaganda de pasta de dente pois tá sempre com aquela cara de paspalho e sorriso escancarado, acho até que se estiver com piriri a fisionomia vai ser a mesma. . .
        Tá certo o Leonardo Lago.
        Abs.
        Zé Maria

      • Dyego disse:

        Mais um babaca de 10 anos que acha que já viu de tudo? Ahh vá!!
        Ricciardo, é o que hein? Vergne – piloto pagante sim! Auxiliado pela Federação Francesa..
        Vai dormir, rapaz!

      • Seinfeld disse:

        Pois é…eu e a RBR não dabemos nada de pilotos.

        Quem sabe são os “Gênios” aí de cima.

        São tão tapados que não conseguem entender que ver méritos em um piloto não significa não ver em outro.

        Se a RBR tem sua “escola” de pilotos, com a Ferrari tem, deve ser por um bom motivo. “Encontraram o Vettel”. Se Ricciardo e Vergne estão na STR deve ser por algum motivo não?

        Mas não disse que são melhores que o Hulkenberg.

        Só quis dizer é que tem gente que vai “na onda” e critica aqueles que ‘todo mundo critica’, elogia aqueles que ‘todo mundo elogia’ e não vê mais ninguém.

        Muito provavelmente nunca prestaram muita atenção no Ricciardo, por exemplo.

        Elogiar o Hulk e criticar o Massa, até ‘garotos de 10 anos’ fazem.

      • Seinfeld disse:

        E ainda fica de mimimi xingando a F1, mas todo domingo estão lá!

        Aí parecem uma velhas gagás que assistem o BBB ou qualquer programa, diz que é uma merda, mas não perde um programa…só pra ficar criticando os ‘participantes’…

        PATÉTICOS.

      • Dyego disse:

        Mimimi o que, zé bobão? Fumou um back estragado ou é vc é doido mesmo?
        Cresce e centraliza tuas ideias, rapaz!

      • Leonardo Lago disse:

        Seinfeld – cujo nickname espero que tenha sido inspirado pela divertidíssima série dos anos 90, da qual também sou fã -, acompanho o “esporte”, desde 1992, quando assistia às corridas com meu pai pela TV. Mas confesso que é dose aguentar essas negociatas que têm dominado a Fórmula 1. Pode se argumentar que sempre existiram piolotos pagantes, como Nakajima, que só pilotou uma Lotus, porque contava com apoio da Honda. O problema é que hoje o negócio escancarou de vez. A Lotus de hoje era para ser uma equipe grande – é o legado da Renault, que por sua vez é o legado da Bennetton campeã mundial de construtores em 1994. Todavia, embora seu chefe de equipe prefira declaradamente contratar Hulkenberg, vê-se forçado a assinar com Maldonado por falta de grana. Em outras palavras: uma equipe que disputa o vice-campeonato do Mundial de Construtores é obrigada a abdicar do melhor piloto, por falta de dinheiro. E não é porque uma equipe maior pagou mais pelo corredor. É simplesmente porque o time precisa que seus “atletas” contribuam com o caixa da esquadra. Ora, que esporte é esse, camarada, em que a equipe não compete para vencer, mas para se manter viva? A escolha da Red Bull por Ricciardo é outra história triste. O que o australiano fez diferente de Jaiminho, Buemi, Vergne, Speed, Liuzzi e tantos outros medíocres que passaram pela Toro Rosso? O único motivo de Ricciardo ter sido eleito, é porque a Red Bull tem que justificar a grana que põe no seu programa de pilotos, do qual, a rigor, apenas Vettel surgiu e vingou – uma brilhante exceção que ofusca a verdade da total incompetência dos gestores desse programa “caça-talentos”. Por fim, nenhum piloto recebeu tantas chances na categoria como Romain Grosjean, pelo único motivo de seu empresário ser também o chefe de sua equipe. Aliás, minto. Há um caso com o qual se possa traçar um paralelo: o caso Massa. Porque o Felipe também começou mal, ficou um ano afastado, voltou e foi parar na Ferrari, com toda sua carreira ajudada por Jean Todt. Massa, pelo menos, acabou correspondendo, brigando ponto a ponto pelo campeonato de 2008. Porém, foi fogo de palha. Espero que Grosjean ainda venha a calar minha boca. Enfim: na F1 de hoje, afirmo, sem medo de errar, que apenas seis pilotos podem dizer “corro por uma equipe que me quer apenas em virtude da minha qualidade técnica.”: Vettel, Alonso, Raikkonnen, Hamilton, Rosberg e Button. Todos os outros ou são pilotos-pagantes, ou servem a algum interesse de um cartola influente, ou estão empregados em uma equipe com poderio aquém de seu talento: o caso do nosso injustiçado Hulk.

      • Fabiano Lacerda disse:

        Esse Dyego retruca todo mundo e tem 100% de aproveitamento em asneiras e chiliques. Deu pena…

        Aliás, nego espinafra a categoria há uns 10 anos. Sempre aparecem pra dizer o quanto a categoria está fraca, equivocada, seguindo pra rumos “sombrios”, mas realmente continuam assistindo e dando audiência pra Ricciardos e Maldonados da vida.

        Vai entender como esses caras conseguem ser burros e malas assim..

    • Paulo disse:

      Pelo que tem andando o Groselha pode pilotar tranquilamente um carro de ponta..

      O Maldonado é louco, mas rápido..tipo pode se acalmar mais e ser constante..ninguém ganha corrida de F1 se não for pelo menos um piloto bom.

      E ganhar corrida com a Williams nessa fase atual então..

      O Ricciardo, bom, a Red Bull não ia arriscar colocar um incapacitado do lado do Vettel, é importante o título dos pilotos, mas nos construtores que vem o $$

      O problema é que existem poucas vagas para muitos pilotos bons, daí o Hulk que tem talento e não tem $$ fica nessa..

      Mas vai que cai uma Mclaren no colo dele? na situação atual é melhor que a Lotus..

      E até a Force India não é mal negocio, visto que ele conseguiu andar bem lá.

    • Ron Denis disse:

      Se fosse assim a vaga na Lotus deveria ser do Barrichello pois na Williams ele foi melhor que os dois !

      E o Maldonado ainda tem uma vitoria já o Hulk ainda não.

  23. Wagner disse:

    Amigo Flávio,

    É triste constatar que a F1 virou um mercado persa, onde um piloto medíocre como o Maldonado tira o lugar de um piloto brilhante como o Hulkenberg.

    Creio que a Lotus irá ter sérios problemas, pois nenhum dos seus novos pilotos tem experiência e equilíbrio emocional, tão necessários no desenvolvimento dos novos carros.

    Abraços

  24. Victor disse:

    Estão falando que o Chilton esta demonstrando interesse a levar sua conta bancara para a Force India, e isso pode complicar a vida do Hulk por lá tambem.

  25. Darthvex disse:

    Ufa! Não precisou esperar até terça!

    Massa na Williams vai recuperar alguma graça em acompanhar pilotos.

    Espero que o motor novo não leve graça como piada.

    Flavio Gomes, faz um vlog! O Adg já fatura gordo no YouTube (sem trocadilho)

    Abraço!

  26. Dyego disse:

    Dois malucos numa porta só!!
    A que ponto a Fórmula 1 chegou! Praticamente não tem mais espaço pro talento, mas somente para aqueles que chegam com caminhões de dinheiro, e cada vez mais.
    Ahh, e com o novo sistema de pontos por penalidade, corre o risco da lotus ter os 2 carros de fora.. Hehe

  27. Livan Pereira disse:

    Até acho que pode dar certo essa dupla, mas as probabilidades de dar errado são bem maiores…

  28. Jr. disse:

    Agora há uma dúvida comercial cruel:

    Se a TOTAL/FINA/ELF banca o Grojã na Lotus, como sua concorrente PDVSA vai entrar com o Maldanado??

    Será que a cadeira do Grojã roda por isso, ou a Lotus irá bancar o salário do gaulês?

    Curioso, muito curioso.

  29. Peter Perfeito disse:

    Maldonado vai deixar o Grosjean maluco! E o Suíço/francês vai ter de ficar calado, pois grana por grana, o Maldonado tá levando bastante, senão mais.

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Maldonado já teve seus momentos de maluquice. Mas aposto que vai render mais (positivamente) que o Garibaldo.

    E o venezuelano não vai reclamar com o companheiro pelo rádio, por alguma situação na pista. Ele joga o carro pra cima mesmo, fecha a porta! rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>