MENU

domingo, 17 de junho de 2012 - 9:01Automobilismo internacional

IS JUST WAITING (15)

LE MANS (menos mal) – O blogueiro e tuiteiro Welington Debris Leal mandou a foto. Pela manhã, os alienígenas foram ao box do DeltaWing pedir desculpas.

78 comentários

  1. Roberto disse:

    Como se diz: Viemos pedir desculpa, pois fizemos uma grande m…, em japonês?

  2. Simão disse:

    Honra é uma coisa da alma dos japoneses. São honrados homens que como poucos, neste mundo de m…. sabem respeitar os de sua própria espécie !!!!!!!

  3. gera disse:

    O Nakajima merece ficar em cana a miojo e água!

  4. Massao disse:

    Hahahaha, estou aprendendo a polemizar com o Flavio Gomes.A simples palavra “vocês” faz toda a diferença.

  5. Jason Vôngoli disse:

    Desculpa o escambau. Quero o din-din para fazer as 24h de Le Mans do ano que vem…

  6. Marcelim disse:

    Pedir desculpas é a mais pura “arte da formalidade niponica”, faz parte da cultura secular deles.Do harakiri ao bowing (se ajoelhar, abaixar a cabeça até o châo repetidas vezes) , tudo é arte do “ayamaru” ou arte de pedir perdão dos nipônicos.

    Na volta aos seus boxes, os toyotistas devem ter feito suas piadinhas e os nissânicos devem ter xingado até a tataravó do Nakajima e amaldiçoado o espírito do sr. Toyoda,fundador da Toyota.

  7. Betão disse:

    Este é um outro nível de competição. Adversários, não inimigos.

  8. Wolfpack disse:

    O que sempre separou a Nissan da Toyota é isso ai… Fala-se muito da Toyota, mas os japas da Toyota são alliens mesmo que sempres só souberam copiar, nada de inovação. Quando vc anda em um Prios e um Camry vc logo nota os pedais de acionamento do freio de estacionamento e o controle do cruise-control. Algo bizarro tirado e usado desde 1960, mais ou menos. Toyota poderia ser uma marca coreana, que gosta de propaganda mas carro bom não sabe fazer. Nissan inova, Toyota copia.

    • Fernando Matias disse:

      Não entendí seu comentário, mas, é melhor você dar uma olhada nos carros da Nissan oferecidos aqui no Brasil, são horríveis, verdadeiros Frankstein’s! O Livina é horrível, Sentra, Versa, March e Grand Livina todos horrorosos.

      • Marcelim disse:

        A Nissan sempre foi “carro de velho” no Japão; a especialidade deles são os sedãs de visual e mecanica mais conservadora…

      • Aguri disse:

        Pelo visto não conhece skylineGTR,FairladyZ,Silvia,180.entre outros carros esportivos da Nissan.

      • Marcelim disse:

        O skyline era só um seis cilindros em linha com bloco de ferro e turbo a alta pressão.

        Era praticamente o APzão japonês, que aguentava qualquer barbaridade, principalmente de preparador ruim.

        Era antiquado e poluente, não se encaixava nas normas européias e americanas de emissão e a Nissan teve que gastar tutano com o v6 que equipa o GT-R, mais moderno.

        Dificil mesmo é tirar 120 cv/litro de um motor aspirado destinado a rodar no dia-a-dia e durar como um carro qualquer ou até mais. So a Honda e a BMW conseguem isso.

      • Marcelo disse:

        Eu amo meu Sentra. ~Muito melhor que op Civic nacional que tive.

      • Wolfpack disse:

        Nissan GT-R é carro de velho e Nissan 370Z idem. Acordem pra realidade, a Toyota não tem capacidade para produzir lendas como estas acima.

      • Marcelim disse:

        Nissan GT-R só é lenda para os japs e os nerds espinhentos do NFSU e fãs de Velozes e furiosos. A própria Nissan teve carros mais marcantes na época que era Datsun. E a Toyota tem vários carros legendários desde os anos 50.

    • Marcelim disse:

      Cite UMA inovação ou ousadia introduzida pela Nissan no mercado automobilístico em toda a sua história. Neguinho ve um projeto refugado que foi comprado pela marca e já começa a falar besteira…assim como a presença da Infiniti na Formula 1 através dos Red Bull com motor Renault, o Delta Wing mostra a ousadia criativa da Nissan.

      Enquanto isso, a Toyota torra milhões começando projetos do zero, muitas vezes quebrando a cara, como na F-1, a Nissan levou algumas décadas para sair do seis cilindros em linha com bloco de ferro fundido.

      A Toyota fabrica desde o verdadeiro utilitário, a “picape do terceiro mundo”, a Hilux, célebre por seu preço baixo, economia e robustez, sucesso em tudo quanto é grotão miserável ao redor do planeta até o único supercarro “state-of-art” japonês superior aos porsches e ferraris, o Lexus LF-A.

      Daí chega o brasileirinho e diz que o fabricante de sedã para japonês de meia-idade é mais inovador… a Nissan era tão conservadora que o seu sistema de vendas era o mesmo desde o fim da II guerra até os anos 90, quando teve de aceitar oum estrangeiro para modernizar a sua administração.

      Um duro golpe para a marca cujo patriotismo está até no ideograma que compõe seu nome…

    • Jackie Chan disse:

      Não gostar da marca é uma coisa, agora nivelar a Toyota à Hyundai-Kia em termos de inovação é totalmente sem fundamento.

    • Marco Vilhena disse:

      Os caras realmente são ruins. Apenas fabricam os carros mais confiáveis do planeta.
      (números não mentem)

  9. Victor Serrão disse:

    Tenho a impressão de que, não importa onde, sempre haverá um Nakajima pagando mico nas corridas. Estamos a um neto barbeiro de uma verdadeira dinastia.

  10. Celio Ferreira disse:

    Eu sou radical, quem não tem competência não se estabelece, Os Naka sempre erram,
    e depois pedem desculpa, lembra do Naka pai em interlagos com o Sena.

  11. Jackie Chan disse:

    Essa é a mesma equipe que conseguiu a pior relação custo/desempenho na F1, exceto os pilotos. Se eu fosse o Sr. Toyoda, trocava esse pessoal todo, inclusive os europeus subalternos que não estão valendo o salário que ganham, e colocava o Seiji Ara (que já venceu em Le Mans com a McLaren) como piloto doméstico, e não esse Nakagão.

  12. Samuka disse:

    Esse é o espírito !!! Exemplo a ser seguido !!!!

  13. Maurício MV. disse:

    Fantástico!

  14. Carlos Pereira disse:

    Bela atitude do pessoal da Toyota, vulgo Cãorolla.
    Reconheceram o erro do piloto, e o prejuizo à Delta.
    Foram corretos e agiram como rivais, não inimigos.
    Esporte de competição é isso.

  15. Massao disse:

    Errar, reconhecer e pedir desculpas ao adversário.Coisa que vocês brasileiros jamais entenderão.

    • Roberto Mota disse:

      Sem noção alguma seu comentário,cara.

      • Minoru disse:

        Uma pessoa que não tem noção da mente oriental dificilmente entenderá o contexto do comentário do Massao, que é o seu caso.

      • Roberto Mota disse:

        E ofender as pessoas “de graça” também faz parte da grande e sacrossanta “cultura oriental” que você apregoa??

        Me poupe,onagro!

      • Minoru disse:

        Caro cidadão:
        A sua atitude apenas confirma a afirmação do Massao: você tem que crescer e aprender para entender alguma coisa de qualquer cultura, seja ela positiva ou não pois todas as culturas possuem pontos positivos e negativos.
        .
        A isso damos o nome de EDUCAÇÃO.

        Agora, se você se ofendeu porque a carapuça lhe serve, apenas lamento a sua postura.

      • Eiji disse:

        Sou de família japonesa tambem, não leve a sério o que eles escreveram, respeitamos muito outras culturas, e não solidarizamos com demonstrações de arrogância como essa; a cultura oriental é muito voltada ao respeito e a não prejudicar o próximo, o que foi feito aqui foi justamente o contrario né..peço perdão por esses comentarios

      • Marcelo disse:

        Pediram desculpas por Pearl Harbor????

      • Jackie Chan disse:

        Claro que sim, ha muito tempo.

      • Luiz Morais disse:

        E os EUA pediram desculpas por Nakagima e Nagasaki?

      • Minoru disse:

        Pediram desculpas por Hiroshima e Nagasaki?

        Pearl Harbour era e ainda é uma base militar e o ataque já era de conhecimento dos americanos, tanto que os porta-aviões haviam sido enviados ao alto mar para exercícios pois eram insubstituíveis.

        Em Hiroshima e Nagasaki morreram basicamente civis, sendo Nagasaki a maior cidade católica do Japão… eu tenho uma amiga italiana cujo tio-avô talvez tenha sido o único sobrevivente ocidental presente na explosão da Bomba em Nagasaki, onde ele era padre e no dia da explosão estava na cidade mas sobreviveu.

        Agora o quê Pearl Harbour tem a ver com educação?

        Tem a ver sim com guerra, onde se usa o melhor do Homem para se fazer o pior do Homem.

      • ricardo bifulco disse:

        Concordo Minoru.

      • Marcelo disse:

        Guerra é guerra. Os americanos apenas queriam aniquilar, extinguir da face da terra a geração militarista niponica. Fizeram, pagaram!

      • Marcelim disse:

        Concordo, guerra é gerra. Quando se entra em uma, a única coisa certa é que haverá revide. A menos que o alvo fosse a França.:D

        Da mesma forma que não tive a menor pena quando os chapéu-de-toalha enfiaram aviões no WTC. Azar deles, quem mandou se meter com os malucos?

        Ridículo eram os japorongos com peninha dos americanos. Levaram duas bombas no rabo e tão se condoendo? Muié de malandro?

      • Marcelim disse:

        A rendição do Japão era questão de tepo, eles já não tinham munição, comida, água ou mesmo soldados.

        Os americanos queriam intimidar os soviéticos, mostrando o seu poderio em cima de civis inocentes.

        Eles queriam preservar o imperador para evitar o caos social e um provável crescimento da influencia soviética no Japão, então danem-se os civis.

        Alguns alegam que Hiroshima era uma cidade industrial, fornecedora de material bélico. Mas isso não era nada que uns bombardeios convencionais não resolvessem.

        Outros dizem que os americanos temiam uma resistência feroz, o que também é mentira, pois como citei acima, o Japão estava à míngua.

        E os americanos tinham uma artilharia incendiária que assava os inimigos vivos.

        Pode-se dizer que os mortos de Hiroshima e Nagasaki foram as primeiras vítimas da guerra fria.

      • Telegrafista disse:

        Cascata. O desembarque americano custaria 1 milhão de vidas. E foi bem feito! Atacaram Pearl Harbor, levaram 2 bombinhas!

      • Marcelim disse:

        Os japoneses iam matar os americanos como? Esguichando wasabi? Ah esquece, nem isso tinha mais…os americanos praticamente desmataram o Japão inteiro na base do bombardeio.

        Eles só queriam mostrar aos sovieticos que já tinham “A” bomba…

      • Nilton Lopes disse:

        Concordo, Pearl Harbor não tem a ver com educação, tem a ver com oportunismo. De qualquer forma, nenhum país do mundo tem um chamado “Dia da Infâmia” (ou como dizem os dicionários:
        abalo ou dano à boa fama, descrédito, desonra, maldade, vilania e torpeza) por causa dos mal educados brasileiros. Tampouco jogamos bombas atômicas em represália, coisa de gente educada, que pede desculpas depois.
        Em suma, a guerra não tem a ver com educação, tem a ver com índole. Mas acho estranho um cara falar sobre um povo ser educado sendo extremamente deselegante comparando com outro, tornando assim, o seu comentário, mal educado. Bastava falar do Japão sem apontar o Brasil, mas o cara não quis perder a chance de provocar e ser polê”mico”. Esse cara , apesar do nome, deve ser é brasileiro….

      • Marcelim disse:

        O Brasil não teve dia da infamia, foi a infâmia em si. O fascista Getúlio vivia um quase-namoro com o eixo, mas quando os americanos lhe deram uma prensa, lá foram os pracinhas para a Itália.

        O Brasil não entrou na II guerra por coragem, entrou por covardia, cagaço.

        Quando descobriram que os americanos tinham uma força tarefa prontinha para invadir o Brasil, foram como o cachorro que obedece a ordem de “pega!”

        E ainda escolheram os mais fraquinhos, os italianos para bater…

      • Marcelim disse:

        OS EUA E SEU PLANO ANTIGO DE INVADIR O BRASIL

        Invasão pelo Nordeste
        EUA planejavam tomar o País caso Getúlio não entrasse na guerra contra os nazistas

        O governo do presidente americano Franklin Roosevelt tinha um plano para invadir o Brasil pelo Nordeste do País, caso não houvesse um entendimento com Getúlio Vargas sobre a cessão das bases militares de Natal, Recife, Salvador e Belém. As forças aliadas, que combatiam a Alemanha nazista, precisavam de uma rota para a África. O plano do Estado-Maior americano para a invasão do Brasil foi confirmado, pela primeira vez, em artigo publicado na revista Proceedings, de distribuição restrita à Marinha americana. O texto foi cedido a ISTOÉ pelo tenente Luiz Paulino Bonfim, que atuou na área de inteligência da Força Expedicionária Brasileira sob o comando do general Amaury Kruel. O general Octávio Costa, que lutou contra os nazistas na Itália, desconhecia o plano. No entanto, confirmou: “Vargas realmente hesitou entre a Alemanha nazista e os aliados e a rota do Norte e Nordeste para a África tinha uma importância estratégica para os americanos.”

        O tenente Bonfim, que está terminando um livro sobre a Segunda Guerra Mundial, relatou a presença de simpatizantes do nazismo no primeiro escalão da ditadura Vargas, principalmente Filinto Muller, então chefe da Polícia e o general Góis Monteiro, ministro da Guerra. Bonfim afirma que o plano de invasão previa o desembarque das tropas americanas no litoral nordestino em 1942, com base em um planejamento aprovado no início daquele ano. Segundo Bonfim, era necessário garantir o apoio do Brasil. A rota pelo Nordeste impediria que os alemães avançassem para a África.
        O artigo da Proceedings ressalta o poder ditatorial que Vargas assumira a partir de 10 de novembro de 1937, quando proclamou o “Estado Novo fascista, passando a ter plenos poderes, sem o Congresso Nacional”, registra a revista. O autor do artigo, Michael Gannon, chama a atenção para a simpatia de Vargas pelos nazistas. Uma das preocupações dos americanos era a afinidade do presidente brasileiro com os principais ditadores da época, além de Hitler: Mussolini (Itália) Salazar (Portugal) e Franco (Espanha).

        O tenente Bonfim conta no livro que somente após o torpedeamento de navios da Marinha mercante por submarinos alemães é que Vargas decidiu, com atraso, assumir o estado de beligerância com as forças do eixo (Alemanha, Itália e Japão) e só depois declarou guerra. “Entramos em operação em 17 de agosto de 1944, e dependíamos dos americanos”, diz. Os brasileiros ainda tiveram, segundo Bonfim, que passar por outro constrangimento: “Nosso uniforme era parecido com o dos alemães e tivemos de usar a jaqueta dos americanos.” Com a adesão do Brasil, em encontro no Rio de Janeiro entre Vargas e Roosevelt – que antes esteve em Natal – o plano de invasão foi arquivado.
        http://www.terra.com.br/istoe/1662/brasil/1662_invasao_nordeste.htm

      • nos poupe por favor …. aqui não se trata de desta ou outra etnia compreender o que …
        sem ufanismo.

    • Marcello disse:

      Cuidado com a generalização com “nós” brasileiros.

      Mas, confesso que tenho inveja quando vejo que os corruptos japoneses, quando pegos, muitas vezes se matam por vergonha, isso aqui é impossível.

      • Marcelim disse:

        Quem se mata são os burocratas, que se consideram herdeiros dos samurais, já que estes, ao fim do shogunato, foram transformados em funcionários públicos.
        Político japonês é igual ao Nakajima ai: pede umas desculpinhas(de forma mais enfática), o povo besta acredita e os perdoa e até reelege.

    • Massao …..ó…. Vocês quem ” cara-pálida” ? até parece …

    • Marcelim disse:

      Se fosse brasileiro,ia jogar a culpa na “vítima”, com apoio e colaboração do narrador ufanista da tv manipuladora….

    • Rafael Rodrigues disse:

      É? Vocês por acaso já se desculparam com os chineses pelo estupro de nanquim (google it)?
      E já pediram perdão ás cobaias humanas da unidade 731?
      E já pediram desculpas por matar filhotes de baleia justificando como “pesquisa cientifica”?

      Me poupe!

      • Marcelim disse:

        Não dá para culpar os japoneses de hoje em dia pelo que foi feito em uma época de totalitarismo beligerante que fazia lavagem cerebral coletiva. Há de se condenar quem defenda aquela época de belicismo, imperialismo e corrupção endemica, isso sim.

        Se fossemos adotar a mesma postura, os brasileiros também deveria pedir desculpas aos paraguaios, indigenas e bolivianos pelas postura genocida e covarde dos nossos antepassados.

        E o governo brasileiro deveria seguir o exemplo dos Estados Unidos e pedir desculpas formais e indenizar aos cidadãos brasileiros descendentes de alemães e japoneses pelas hostilidades durante a II Guerra.
        Até porque os japoneses foram os únicos a sofrer discriminação oficial na forma de lei por parte do estado brasileiro. Embora, como descendente de japoneses, sinceramente acho que muitos dos nipo-brasileiros não façam por merecer.
        Sobretudo aqueles que mesmo com toda informação atual, apóiam os erros do passado.

      • Marcelim disse:

        deveriaM

      • Jackie Chan disse:

        Que eu saiba, vários primeiro-ministros japoneses já apresentaram desculpas em nome de seu pais quando de visitas à China, pelas agressões cometidas pelos soldados do antigo império. Se a China não aceita as desculpas, o problema é dela, não dos japoneses atuais.

      • Popó disse:

        Esse Rafael Rodrigues tá de brincadeira. Toda humanidade deve pedir desculpa por algo que fez e brasileiros não estão fora disso. Meu tataravô lutou na Guerra do Paraguai e as atrocidades cometidas pela tropa brasileira foram igualmentes cruéis. Então todós nós brasileiros devemos pedir desculpas ao Paraguai? Aliás, quando o Brasil pediu desculpas? Agora você vêm falar merda… Vêm falar da propaganda do governo Chinês que usa esses argumentos históricos pro povão chinês ficar perdendo tempo de uma coisa que aconteceu a quase 100 anos, ou seja, é algo pro povão desviar o foco dos problemas da China, um controle po parte do governo. Aliás, quem me disse isso foi de um Chinês radicado nos EUA. Agora me surpreende um brasileiro em um país livre, cair nessa lavagem celebral. Deve ser burrice mesmo.

      • Luiz Morais disse:

        Ih, pronto! Agora começa o joguinho de quem tem mais informação histórica e mais ideais humanistas.

        Filho, não tem mais ninguém vivo, contemporâneo aos fatos mencionados, portatno, Inez é morta, punto e basta!

        Daqui há pouco vamos agrdir os árabes por terem invadido o império romano da Mesopotâmia em 306!!

    • Danilo Cândido disse:

      Japonês sempre teve a fama de mentiroso.
      E sempre defendeu sua classe.
      Só pedem desculpas ou quando o erro foi gritante (como foi o caso) ou quando tem interesse pessoal.
      Esse papinho de história do passado é conversa pra boi dormir…
      No automobilismo, japonês é bom de projeto. De pilotagem sempre foi um desastre.
      Mas no pastel, no sushi, no karaokê e na tinturaria são bons… Se bem que tem muito sushiman brasileiro que dá baile nos japoneses.

      • Popó disse:

        Só falta falar que um Gurgel BR-800 é muito mais superior que um Toyota iQ… Reconhecer que outros estão certos e com isso tentar superá-los é uma coisa que os japoneses fazem. Aliás, a europa também fazem isso e são o que são hoje, são países de primeiro mundo. Mas ridicularizá-los com comentários preconceituosos e nada têm da realidade e ainda bradar por um patriotismo patético é pura babaquice, típica de um país terceiro mundista analfabeto. Eu como brasileiro com a convicção do meu papel como cidadão, reconheço que existem coisas superiores lá fora e devemos superá-los. E não ficar bradando patriotismo babaca que é a razão do nosso atraso como país.

      • Danilo Cândido disse:

        Popó
        A resposta foi do mesmo nível do comentário besta e preconceituoso do Sr. Massao, que não teve nenhuma oportunidade no Japão (sua família deve ter saído fugido de lá) para não valorizar o país que o acolheu e sua família. Vindo de Japoneses, não esperava resposta diferente. Isto é cultural, não é briga de países etc…
        Se você verificar meu texto, eu o respeito por seus projetos, mas o caso em si que foi pilotagem (assunto levantado pelo Flavio) nunca foram bons.
        Tecnologia jamais discutiremos, inclusive tenho um carro japonês.
        Contra comentários dos japonese, é só falar a verdade e ponto final.
        Popô, fique tranquilo, um japonês ainda vai pregar uma em você na sua vida!

      • Popó disse:

        Sou brasileiro e a minha origem não têm nada de japonês, mas sou filho adotivo de japoneses e graças a eles devo a minha formação em tudo na minha vida. E ai? Generalizar todos japoneses por conta de um babaca de que falou uma coisa nada a ver é preconceito seu sim.

      • Popó disse:

        Sou brasileiro e a minha origem não têm nada de japonês, mas sou filho adotivo de japoneses e graças a eles devo a minha formação em tudo na minha vida. E ai? Generalizar todos japoneses por conta de um babaca de que falou uma coisa nada a ver é preconceito seu sim. E preconceito é igual a burrice.

      • Popó disse:

        A sua resposta é tão preconceituosa que dá nojo. Cultural? Vinda de japoneses? Não sabe nada de cultura japonesa ainda quer dar pitacos com comentários preconceituosos. Além de ser preconceituoso, generaliza a todos. Sou brasileiro e a minha origem genética não têm nada de japonês, mas sou filho adotivo de japoneses e graças a eles devo a minha formação em tudo na minha vida. E ai? Generalizar todos japoneses por conta de um babaca de que falou uma coisa nada a ver é preconceito nojento seu. É tão infundado que se o seu preconceito tivesse alguma razão, nós brasileiros é que deveríamos nos odiar uns aos outros, pois motivos temos muito mais pra isso.

      • Marcelim disse:

        Quanto rancor em seu coraçãozinho… aposto que você não conhece UM japonês de verdade, só conhece esses japoneses paraguaios, ou melhor, japoneses-brasileiros que existem por aí. Aliás, tem muito japonês-brasileiro que se acha mais japonês do que os japoneses do Japão.

        Essa japorongada veio para cá em uma época de obscurantismo e nacionalismo exacerbado através de lavagem cerebral coletiva. Era uma japonesada que acreditava em boatos como o de que o vinho bebido por marinheiros estrangeiros nos portos de Yokohama e Kobe eram feitos de sangue dos japoneses.

        A japonesada de hoje em dia está desencanada, sem grandes perspectivas para o futuro, desencantado com a política e os rumos do país, não tem grandes esperanças de ter uma carreira.

        A maior parte prefere sobreviver de bicos e viajar parte do ano, sair para festar, se divertir.

        Cosmopolitas e antenados, a maioria fica constragida com os ultranacionalistas que ficam gritando “uáito pigu go hômu (white pigs go home!) em locais de concentração de estrangeiros.

        Os japoneses são, sim meio ambíguos e é complicado para os executivos negociarem com eles, por exemplo. Tudo para eles é dito de forma que possa ser interpretado favoravelmente aos seus interesses posteriormente. Mentiroso é o brasileiro, que mente deslavadamente e quando é desmascarado, inventa outra mentira para tentar abafar a mentira anterior. Por isso ninguém leva a sério o brasileiro lá fora, todo mundo sabe que o que os brasileiros e latino-americanos em geral dizem não se escreve. E muitos dos japoneses-brasileiros com seus defeitos herdados dos brasileiros, são uma praga. É um querendo prejudicar o outro para obter uma vantagenzinha, para fazer bonito diante do chefe, não possuem escrúpulos nem consideração pelo próximo.

      • Danilo Cândido disse:

        Marcelim, obrigado pela resposta, concordo em muita parte de seus comentários.
        Popó, 3 posts para responder? Seja objetivo cara, por sinal, coloque seu nome como coloco o meu, não se “esconda” como um japonês…
        Marcelim, confesso que não fui ao Japão, minha referência de ser realmente estes “Japaraigos” como deve ser este tal de Massao (que deve viver de bico – esta foi demais) mas que a classe é traíra, é.
        Quem começou com o preconceito foi os japoneses neste assunto Popó, apenas coloquei a classe no devido lugar.
        Volto a dizer, não se preocupe Popó, um japonés ainda vai ferrar você!

      • Popó disse:

        Infelizmente gente como tú representa muito mal a nosso país como nação. Por conta disso que muito brasileiro é muito mal vista mundo a fora. Infelizmente não pra sua tristeza, mas um brasileiro é que me ferrou. E pelo jeito, mal sabe ler o que escrevi, infelizmente, é outra vergonha nacional.

  16. sushi sashimi de Naka !!!!! e arigato ,da “argoletas ” , ao Naka….

  17. Janucio Vieira disse:

    Pela caras do pessoal da Toyota na foto parece que diz assim : (ordem da esquerda pra direita) :

    Cara de boné-Cara eu não tenho nada a ver com isso eu sou só o empregado , neh ?

    Sensei de oculos -Lamento pela cagada que o funcionálio novo fez , sabe como é , Menino novo sem cabeça no lugar ( piloto domestico) , Mas tomaremos medidas cabíveis , neh ?

    O outro não deu pra ver
    Zueiras a parte :
    Um pedido de desculpas é um sinal de reconhecimento pelos erros cometidos.
    Mas desculpas não corrigem os estragos já feitos.

  18. Bruno Terena disse:

    Os de preto deveriam ter socado o pau no Nakajima!

    • Minoru disse:

      É por isso que o Flavio postou a foto… o que se esperaria seria exatamente o que você descreveu MAS o fato é que os japoneses se portam de uma forma diferente ao cometerem um erro: pedir desculpas serve para admitir a culpa e assumir o arrependimento de ter cometido a falha, pois o fato é que a M… já está feita e se desculpar é o papel higiênico que limpa essa M… que nem sempre limpa tudo eu admito, mas é melhor tentar “limpar” do que deixar alí fedendo, que é o que muita gente faz, a tal “outra” saída que parece ser a solução para tudo: porrada, eu não tenho nada a ver com isso e a culpa é sempre do outro!

  19. Nilson Carvalho disse:

    A cara de menino que fez merda e é levado arrastado pelas orelhas na casa da vizinha para pedir desculpas, diz tudo.

  20. Paulo disse:

    Bom ver isso, se tratam como rivais, não inimigos. Bom exemplos para alguns dirigente de futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>