MENU

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012 - 20:54F-1

SCHUMACHER & SENNA

SÃO PAULO (sempre importante) – Schumacher falando de Senna não é toda hora. Recebi um press-release agora do Instituto Ayrton Senna, que faz uma campanha chamada “Senna Tri”, para lembrar as três conquistas do brasileiro. Internautas mandaram perguntas sobre ele para que figuras como Schumacher e Hamilton respondessem. As respostas do alemão estão abaixo e nestes vídeos aqui. Reproduzo na íntegra o material que me enviaram, destacando a última pergunta — Michael diz que sua maior vitória sobre Ayrton foi no Brasil em 1994, “orgulhoso por tê-lo vencido em sua própria casa”.

Em 1992, Michael Schumacher era novato na Fórmula 1. Jovem promissor, estava em seu segundo ano na principal categoria do automobilismo, e queria mostrar serviço. Ayrton Senna, já tricampeão mundial, era o principal alvo do alemão. A rivalidade gerou um episódio polêmico, que até hoje intriga fãs do esporte a motor. No GP da França, os dois se chocaram e saíram da corrida, e o brasileiro chamou o adversário para uma conversa em particular, sem a presença da imprensa.

O teor do rápido bate-papo foi revelado pelo alemão em vídeo especialmente gravado para a campanha ‘Senna Tri. Uma conquista inspira a outra’, do Instituto Ayrton Senna em parceria com a JWT.

“A culpa pelo que aconteceu ali foi minha. Como já tínhamos tido algumas discussões no início daquele ano, e eu havia reclamado não só para ele, mas também para a mídia, o principal motivo de ele ter vindo falar comigo foi para pedir que, se tivéssemos algum problema no futuro, deveríamos conversar pessoalmente, e não reclamar para a imprensa. E ele estava certo: nem tudo pertence à mídia”, disse o alemão.

No vídeo, Schumacher respondeu as cinco melhores perguntas enviadas pelos fãs do brasileiro (veja abaixo a transcrição) por meio das redes sociais, e fez algumas outras declarações interessantes.

O heptacampeão mundial de Fórmula 1 afirmou ter aprendido muito com Senna. “A forma como usava o acelerador era especial, se adaptava a qualquer circunstância, era mestre nisso. Observá-lo me ajudou muito.”

Ana Carolina – Sua admiração por Ayrton Senna surgiu de que forma? O que havia nele que chamava a sua atenção? O que o tornava merecedor de tanto prestígio e admiração? Como ele influenciou você?
Schumacher: Oi Ana, a primeira vez que vi o Ayrton foi no início da década de 80, acho que foi em 1980, em Nürburgring, em uma corrida de Kart. Ele brigava pela quinta posição, ou seja, nem estava na frente. Mas a forma como brigava pela sua posição era incrível. Era contra um piloto alemão, Bertzen, que eu conhecia muito bem. A forma como o Ayrton ultrapassava e manobrava era incrível e era muito bom vê-lo pilotar.

Raí Caldato – De 1991 a 1994, você e o Ayrton dividiram as pistas, correndo e treinando juntos. Existe alguma coisa que você aprendeu com ele e incorporou ao seu estilo de pilotagem?
Schumacher: Oi Raí. Certamente, uma das coisas mais importantes é observar os pilotos, principalmente os melhores, e o Ayrton, sem dúvida, era um deles. Observar seu estilo de pilotar era muito especial, mesmo antes de eu chegar à Fórmula 1, nos velhos tempos. Porque a forma como ele usava o acelerador era muito especial, e eu aprendi muito sobre a maneira de se adaptar a qualquer circunstância, a qualquer momento. Ayrton era mestre nisso e, sem dúvida alguma, observar isso me ajudou muito.

Pablo Melo – Você e Senna se chocaram no GP da França de 1992. Houve então uma conversa entre vocês e Senna não deixou os repórteres chegarem perto. Gostaria de saber o que ele falou com você e o que aquela conversa afetou na sua carreira?
Schumacher: Oi Pablo. Bem, 1992, em Magny Cours, foi sim uma discussão interessante. Sem dúvida, a culpa pelo que aconteceu ali foi minha. Como já tínhamos tido algumas discussões no início daquele ano, e eu havia reclamado não só para ele, mas também para a mídia, o principal motivo de ele ter vindo falar comigo foi para pedir que, se tivéssemos algum problema no futuro, deveríamos conversar pessoalmente, e não reclamar para a imprensa. E ele estava certo: nem tudo pertence à mídia.

Alex B. Carrilio – Após vencer o GP de Monza de 200, você chorou ao conseguir quebrar o recorde de vitórias de Senna. Qual a emoção e a importância desse momento para você?
Schumacher: Oi Alex. Monza 2000 foi, sem dúvida, um momento muito importante. Igualar tempos, recordes, era muito importante para mim. E foi por isso que naquele dia eu não consegui controlar minhas emoções. Afinal de contas, ele era um ídolo para todos nós. Eu o conhecia desde a época das corridas de Kart, competi com ele e, finalmente, após a sua tragédia, igualar seus recordes, significou muito para mim.

Milton Vergani – Se fosse possível uma corrida entre você e Senna, qual circuito você escolheria? Qual carro de F1 você escolheria para vocês dois usarem?
Schumacher: Oi Milton. Uma das corridas, e acho que isso responde sua pergunta, foi o GP do Brasil de 1994, nós dois tínhamos carros excelentes. E a briga que tivemos na pista foi muito intensa e afiada, e eu acabei sendo o feliz vencedor daquela corrida. Acho que o Ayrton chegou a rodar e, sim, fiquei muito orgulhoso por tê-lo derrotado, correndo na sua própria casa e por vencer a corrida.

245 comentários

  1. Ladea disse:

    O segredo Schumacher se chama Rory Byrne, este sul africano é gênio, mas também malandro ele sempre colocou um fundo falso em carros, tanto na Benetton como na Ferrari, a olho nu você não percebe, mas quando o carro se movimenta o sistema traseiro todo se abaixa, tudo isto só foi ser descoberto quando a Mclaren espionou a Ferrari com o mecânico Nigel Stepney oferecendo seus serviços a várias equipes…Foi através desta espionagem que a Mclaren denunciou a Ferrari e a partir daí a Ferrari nunca mais foi a mesma. A FIA descobriu tudo e a Mclaren teve que pagar 100 milhões de reais, por isto este fiasco do Schumacher na Mercedes…sem o fundo falso o Schumacher não tem como andar bem…

    • Indio disse:

      Senhor Ladea sou fã do Schumacher, tudo mundo sabe que ele usou controle de tração em 1994, mas a Mclaren e a Ferrari também usaram, é claro que a FIA não teve como provar apesar de ter pego o engenheiro que forneceu o sistema, mas o controle de tração é muito difícil de ser descoberto as 3 equipes disseram que era um “modulador de torque” do próprio motor, a FIA multou as 3 equipes…em 100 mil dólares, se anulasse as corridas seria um fiasco. Mas tenho certeza que houve controle de tração pelas arrancadas fulminantes que os Benetton (só do Schumy) davam as Williams cantavam pneus nas arrancadas…O Nicola Larini também confessou que eles usavam na Ferrari controle de tração e o Vetapem disse que só a Benetton do alemão usava este sistema, mas ele disse isto muitos anos depois, ele disse que só 3 pessoas tinham o privilégio de ver a telemetria do Schumy, mais um indício que havia algo estranho. Quanto ao fundo falso o Irvine já tinha dito que tinha um carro irregular nas Ferrari, por isto que eu admiro o Schumacher ele apesar de todas irregularidades de seus carros, sempre foi capaz de manter uma fidelidade quase canina a Rory Byrne.

      • Jerry disse:

        A Fia contratou uma empresa que investigou a Benetton e lá foi constatado que as irregularidades eram reais, Charles Whiting pediu a exclusão da Benetton da F1 para sempre. Mas aí entrou Bernie Eclestone, preocupado com a perda da Alemanha, o país mais rico da Europa, Bernie teria dito perdemos em 1994 Prost, depois Senna e agora vamos perder Schumacher. Com isto ele convenceu a Max Mosley a por panos quentes e “esquecer” tudo, “teríamos que anular várias corridas”. seria um escândalo.

  2. Joaoleopires disse:

    Que foto fantástica, que bela entrevistas também….dois gênios das pistas…

  3. Pedro disse:

    me dar nojo ouvir as viúvas falando. a maior raiva delas, é que não podem brigar contra os números do melhor e mais completo piloto de todos os tempos. O senna foi o melhor do Brasil, mas é só. Tem mais dois na frente do senna. O argentino penta, e o francês tetra. Deixem de burrice, e adimitam que chumacher é o melhor. Queiram ou não queiram, ele é melhor.

  4. valdir disse:

    nao acredito na veracidade dessa materia 1992 schumacher nao estava em seu 2 ano de F1 tinha feito apenas 6 corridas em 1991, quanto alguem falar de outros na casa dos outros sempre tem aquela coisa de politicamente correta tipo RON falou para uma equipe francesa que nao teria chegado onde chegou sem prost ( capacidade do frances em fazer carros voadores em termos de acertos) falaria o mesmo aqui como na finlandia, no fim oque importa sao numeros $ gastas pelas equipes, lembrando que a mcclaren chegou em um carro a $ de 1 bilhao

  5. valdir disse:

    concordo com nada que tu disses, mas vou usar as mesmas palavras se tu entende tanto assim de f1 como diz, na epoca sem excessao para ser campeao mundialç de f1 tinha que se correr pela mcclaren ou williams schumacher acabou com essa festa, quanto a nao ter adversario ou o passado dos pilotos a nivel de schummyu eramfracos concordo, sabe quantos titulos ganharam juntos na ferrari e beneton ( PROST, MANSELL, PIQUET, BUTTON, ALESI, BERGER, E TANTOS OUTROS (0,0.0) Schumacher ganhou 7
    campeonata f1 1992
    MANSELL 108
    PATRESI 56
    SCHUMACHER 53
    SENNA 50
    BERGER 49
    OHH DIFICULDADE EM SUPERAR O TODO PODEROSO BERGER
    McLaren had an Honda V12 and much more HP in 92
    McLaren had an Half Automatic-Gear-Shift in 92
    Benneton had an H-Stick Shift in 92
    Benneton had an Ford V8 Custom Engine in 92
    Benneton drive the first 5 Races of 92 with the 91-Car
    SO lembrando que schumacher nunca foi piloto de f3 nem piloto de testews saiu direto da stock car para f1 assim nao conhecia as pistas de f1 ( que mais impresiona, outro fato que impresiona que nunca pilotou um carro deponta ou sentart e ser campeao, a ferrari por exemplo na epoca 1 benetton 2 william 3 mcclaren, numa disputa ferenha pela querta equipe estava a ferrari.
    na corrida limpa entre senna e schumacher em 1994 onde nenhum dos teve contratempos ( schumacher na largada ficou em 3 atras de alesi) quando livrou-se de alisi esta 7.030 atras de senna , nos 1 pit stop a diferença era de 0.600, schumacher voltou na frete no final da corrida quando senna rodou chumacher estava 6.400 na frente de senna ( senna com a tal famosa william voadora renault v10) realmente na epoca os pilotos eraqm fraquinhos, rodavam em volta de apresentaçao, ganhavam ate corrida com 1 marcha so, lembrando a unica vez em que senna e schumacher correram em uma disputa de kart nenhum dos dois venceu, mas nao preciso dizer que schumacher chegou bem na frente

  6. alemôn 7x disse:

    hoje terr marrmelata? terr sim senhorr
    hoje terr goiabata? terr sim senhorr
    e a shumacher o que é?
    É LADRÔN DE MULHERR.
    roubei na carra durra a noiva da melhorr amiga, a frentezn.
    ahahaha, eu serr a melhor pilota da mundo, a nelson é quem diz, obrrigada carra nelson.mas cuidado, stafica korrina também já estafica desconfiada.
    foce disse terr sido pilota como eu, foce corria do,que, aqui no eurropa e na brrasil?

  7. Eduardo-SC disse:

    Eu estive lá…foi uma corrida alucinante. Correram sozinhos e os dois deram volta no terceiro colocado. Na falta de informação achamos até que o Senna tinha passado o Schumacher, mas na verdade era o Verstapen.Era tanta certeza que o tetra viria que o povo foi embora decepcionado antes da corrida acabar, assim como nos jogos de futebol. Mal sabiam eles que seria a última corrida do Senna no Brasil. O que valé é bola na rede, não importa se foi de mão e o juiz não viu, mas que teve marmelada no reabastecimento teve.

  8. João Ribeiro disse:

    Este Nelson aí não engana….Só trocou o nick…É o mesmo Marcelo alemão e Burrinho Batequebra… Pois é, Nelson alterego do Marcelo, o alemão assustou tanto que o Senna sempre andou na frente do alemão, e já que você citou o ano de 1994, ele fez 3 poles aquele ano, e morreu andando em primeiro lugar na frente do alemãozinho.
    E em relação a Benetton adulterada, não foi só filtro não. A FIA descobriu controle de tração, irregularidades no assoalho do carro, e um software escondido de gerenciamento de motor e outras cositas más…
    Neguinho aqui que tenta botar banca de entendido acha que falar bem do Senna é ser viúva. Ou seja, se ele fosse estrangeiro, tudo bem, mas como ele teve o infortúnio de ter nascido em terras brasilis, falar bem dele é pachecada.
    Várias pesquisas feitas com atuais pilotos, ex-pilotos e engenheiros colocam Senna como o melhor de todos os tempos, não são os brasileiros que falaram, foram os próprios gringos.
    O que dá raiva é que quem faz este tipo de comentário é tudo nénem, que não acompanhou as épocas de ouro da F-1, e assistiu uma F-1 medíocra do fim dos anos 90 e primeira metade dos anos 2000.
    Eu corto minhas bolas fora se aparecer algum senhor que realmente entenda de F-1, tenha acompanhado ao vivo F-1 dos anos 70 até agora, e que ache que o Schummy é o melhor piloto de todos os tempos. Quanto a mim, já sou meio coroa, acompanho F-1 desde 1981:)
    Já que você é tão fã do alemão, então vamos ter uma conversa sem paixões, tirando os pilotos brasileiros:
    - Nunca na história da F-1 algum piloto conseguiu ter sempre o melhor carro do grid por tanto tempo igual o alemão.
    - Nunca na história da F-1 algum piloto correu praticamente “sozinho”, contra nenhum adversário de peso. Quem eram os adversários do Schummy? Damon Hill, o zero à esquerda? Jacques Villeneuve, pilotinho de várzea que não foi 10% do que foi o gênio pai dele Gilles Villeneuve? Aliás, foi só aparecer um piloto melhor, Fernando Alonso, que a festa do alemão acabou…
    Olhe os anos 70: Gilles Villeneuve, Fititipaldi (desculpe, mas ele correu nos anos 70, tive que citar…), Jackie Stewart, Niki Lauda, Peterson, Andretti, James Hunt, Jody Scheckter…
    Olhe os anos 80: Prost, Nigel Mansel, Lauda, Piquet, Senna…ops, desculpe, eu disse que não citaria brasileiro…
    Olhe o grid atual: Vettel, Hamilton, Alonso, Button, caras que seriam pilotos de altíssimo nível e campeões em qualquer época da F-1.
    - Nunca na história da F-1 algum piloto teve companheiros de equipe tão medíocres quanto o Schummy.
    - Nunca na história da F-1 algum piloto usou de tantas artimanhas pra tentar ser campeão. Óbvio que sempre teve piloto abusado na F-1, mas não igual o germânico. Carro adulterado em 1994; batida proposital no Hill, depois que ele havia batido sozinho no muro e sabia que a corrida estava perdida; jogou o carro no Villeneuve em 97; precisou de segundo pilotinho SEMPRE (lembra do Irvine???) em todas as equipes que esteve pra segurar adversários ou ceder vitórias; parou carro no meio da pista em treinos classificatórios para prejudicar volta lançada do Alonso; sempre que se viu ameaçado fechava os adversários de forma criminosa…
    Qualquer piloto de alto nível que já foi campeão da F-1 poderia ter tido uma carreira parecida com a do alemão se tivesse a sorte de correr em situações semelhantes.
    Vou além: pilotos como Prost, Jim Clark ou o Lauda foram melhores que o alemãozinho.
    O Prost poderia ter tido o mesmo número de títulos que o alemão, se não tivesse um companheiro top como ele na McLaren, o que lhe teria rendido mais 2 títulos, se não tivesse perdido um campeonato por diferença de 0,5 ponto(isso mesmo!) pro Lauda, e se na época dele não tivesse Piquet, Senna, Lauda, Nigel Mansel, entre outros, ainda faturava mais…
    Claro que o Schummy foi um piloto excepcional, mas, como dito, não foi este semideus que a molecada atual acredita…
    Note que o alemão só fazia sucesso em carro bom…Quando ele estava na Ferrari em 96, 97, 98, 99, ou mesmo agora, na Mercedes, parece que o “encanto” dele desaparece… Bem diferente dos grandes gênios da F-1 que conseguiram milagres pilotando carros medianos…

    • enko disse:

      joão ribeiro, voce citou um cara e me lembrou algo.
      quando o alemão quebrou a perna o irvine tinha tudo para ganhar o campeonato, mas o alemão vetou,, me parece que a ferrari ficou co o titulo de construtores e a mclarem com o de pilotos.
      a primeira corida de f 1 que assisti joão foi mônaco 1972 na chuva com vitória de jean pierre beltoise. ano em que o emerson ganhou o titulo por antecipação em monza contra um vesgo chamado jackie stewart.

      • Marcelo disse:

        Hahahahaha….e põe vesgo nisso!

      • Marcelo disse:

        Enko, você foi “soda” agora rsrsrsrs
        Abraços,

      • Nelson disse:

        Vai me entregar seu cargo em ITU quando?pensei que fosse um cara mais novo,mas quem já via corridas desde 72 já era para ter aprendido algumas coisas tipo:primeiro,um pouco de educação,segundo umpouco menos de mediocridade e discutir em nivel de gente civilizada.E por ultimo deixar de ser baba ovo de SENNINHA.Deve ter todas as revistinhas também,não?.Quando voce viu a sua primeira,eu já estava cansado de correr e assistir desde jim clark,que por sinal foi o piloto que teve realmente o carro mais desigual em relação ao resto do grid.Não deixo de dormir por causa de shummy,só constato que ele é melhor que senna,como prost tambem foi,pois andava junto e tinha raciocinio,ou seja,não era inconsequente.Monaco em 73 assisti ao vivo e vi uma aula do VESGO.Vi tambem uma prova espetacular de um novato chamado lauda que com BRM andou barbaridade,e não tive duvida em comentar com o pessoal que estava comigo que seria um novo campeão.Assisti entre outras,ao vivo,a ultima vitoria de emereson em silverstone 75 em que ele estava andando atras do copersucar e de varios outros e mesmo assim com a sua maior sorte da historia,ganhou praticamente do box.Acho piquet espetacular pois não era chorão e andava,e não se vendiapara ninguém.Resumindo:gosto de corridas e de fatos ligados a elas,mas não babo ovo de ninguem.Quando quiser ser decente,pode voltar a me responder.Caso não consiga,refugie-se na atual vida pré civilizada.

      • enko disse:

        voce correu do que mesmo?
        quem baba ovbo do shumacher, basta o marcelo msa postar e bvoce já vem logo atrás babando ovo
        pouco me importa se voce viu ao vivo ou não, problema é seu
        como em 75 ele estava atrás do copersucar?
        já imaginaram se babasse ovo.
        e mediocre é voce.

      • João Ribeiro disse:

        Excelentíssimo Senhor Nelson Marcelo:

        De plano, verifica-se que a minha teoria estava certa. Realmente Vossa Excelência confirmou que faz uso de diversos pseudônimos para tentar impor seu ponto de vista, recurso muito comum entre covardes e pusilânimes, principalmente entre esta a nova geração de jovens, que escondem-se por trás do anonimato da internet.
        Segundo, todo este desespero e apelo denota a sua real idade juvenil, já que apenas coloquei um ponto de vista, sem partir para ofensas, ao contrário de Vossa Excelência.
        O fanatismo infelizmente é um dos grandes males deste início de século, e fica claro em suas palavras todo o ódio que Vossa Excelência destila naqueles de opinião contrária.
        Pelas suas palavras, pelo seu comportamento pré-adolescente, é inequívoco e latente que Vossa Excelência não possui a indigitada idade que tenta fazer crer, ou realmente Vossa Excelência acredita que aqui, neste prestigiado espaço conduzido pelo baluarte do jornalismo automobilístico Flávio Gomes, somos todos estúpidos e vamos acreditar que Vossa Excelência realmente assistiu uma corrida ao vivo em 1972, ou seja, que V. Exª possui mais do que 55 anos.
        Pasmem, caindo em contradição, e denotando sua total ignorância no tocante ao assunto Fórmula 1, V. Exª chega ao desplante de afirmar que “corria” e assistia o piloto Jim Clark correr, ou seja, V. Exª teria no mínimo 60 anos de idade, já que o primeiro título de Clark foi em 1963 e ele morreu em 1968.
        Depois Vossa Excelência poderia explicar como assistiu ao vivo as corridas de Jim Clark nos anos 60, se V. Exª mesmo já afirmara anteriormente que assistiu a sua primeira corrida em 1972… Alguma sessão espírita multimídia?
        Destarte, considerando-se que a verdade dos fatos foi reestabelecida, realmente Vossa Excelência vive em uma vida “pré-civilizada”, devendo pois ter um pouco mais de educação, civilidade e trato com seus semelhantes, e, caso não possível, recolha-se à sua própria insignificância.

      • enko disse:

        tomou, nersão?
        se não toma agora antes que esfrie. ahahahahah
        joão, esse é o cara mais sem “loção” do blog, viv e na sombra dos compendios do marcelo msa, e fica se achando.

      • Burn baby Burn.. disse:

        Este negócio de mudar nicks, é ridículo.

        Gente que vem aqui para criar polemica, sem sequer ter a ciência do que está falando.. e por isso tem medo de dar a cara para bater.. e assim se locupleta.

        meu conselho. mantenha o nick original, e respeita a opinião alheia amigo.. use-o permanentemente.. aí terá respeito entre todos aqui..

        isto é.. se realmente souber alguma coisa interessante ou que acrescente algo para nós..

        caso contrário.. é melhor participar do forum Michel teló.. enquanto sua carreira durar..

        fuiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

      • Nelson disse:

        ENKO:tudo que escrevi na outra resposta era para voce.Pena que não sacou.Mas agora que já sabe,relei-a com bastante atenção e se possivel,suma.

      • Nelson disse:

        Joaõ:a resposta foi para o bobo do Enko.E me desculpe, mas na epoca de clark já existiam os filmes de 8 e 16 milimetros que chegavam ao brasil e para completar,tenho só 65.Corri no rio junto com bird,pace, luizinho,em 67,68.Comecei a correr em 66 em brasilia e conheço quase todos.Portanto posso ter ate opiniões divergentes mas não falo pela bunda.Abraços.

      • Sou Pacheco, mexe e vê se aguenta!!! disse:

        Nelson, você me parece o maior 171 que comenta neste blog. Acho até que é mais velho do que diz ser. Mas não acho que você tenha corrido ou participado do meio automobilístico. Seu amor pelo Schummy é tão grande que acho que fêz parte do Terceiro Reich. Feliz com Vettel?

      • Nelson disse:

        não idiota.O lewis é melhor.

    • Guilas disse:

      João falou e disse! É o tipo de comentário que, apesar de 100% verdadeiro, vira chacota nesse antro de piquetistas! Lamentável!

      • Carlos disse:

        Realmente, Guilas, pra se dizer entendido de automobilismo tem que se dizer piquetista, mesmo que tenham existido pilotos na F-1 que, pelo menos na minha humilde opinião, foram melhores que ele.
        Engraçado que estes caras são Piquet fanáticos, mas admirar o Piquet não é pachecada nem ser viúva…
        É sempre assim: pra se dizer “expert” em algum assunto, tem que ser do contra ou ter alguma opinião “diferenciada” …
        Igual os pseudo-intelectuais que dizem que toda a origem do crime está ligada às condições sociais, como se todo estuprador assim o fosse porque é pobre, que os Illuminati querem acabar com o mundo, que ser entendido de informática é idolatrar o Linux, etc…

      • Sou Pacheco, mexe e vê se aguenta!!! disse:

        Carlos, disse tudo! Parece que piquetista brasileiro.Eu sou Pacheco, me orgulho do Fittipaldi, do Piquet, do SENNA, do Rubens e do Massa. Engraçado é que eles até hoje lamentam a “entregada” que o Barrichello deu para o Schumacher ( que amam de paixão ), mas apagaram da história a “burrada” que o Piquezinho fez na Renault.

  9. Fabiano Lacerda disse:

    Torcedor é essa mierda que vocês puderam presenciar,rapaziada. Qualquer “ista” no esporte ou em qualquer campo,é digno de pena. O pior é que esses fãs patéticos do Senna acham que estão isentos porque descontam suas frustrações e seu próprio fracasso diário,amando um “herói” nacional. Ou seja,o fundo do poço não tem fundo,mesmo. rs

  10. Pedro Chung disse:

    His winning style
    In 1994, the season in which Schumacher seemed to romp to a virtually unchallenged first title, his team-mate was a young Jos Verstappen. Though very inexperienced, here was a man who had just waltzed the German F3 championship, had set some blistering test times for Footwork, and had to fight off McLaren’s interest before signing as a test driver for Benetton. His meteoric rise to F1 is only comparable to that of Jarno Trulli and Kimi Räikkönen, his wet-weather performances have always been awesome – so he would be a man to understand all about cars. And yet, when quizzed in 1994 about his lack of qualifying speed and race pace compared to Schumacher, he is quoted as saying that he found Michael’s set-up undriveable.

    So with both men being experienced kart drivers, what sets them apart? How come that while today’s F1 cars are often described as “high-grip shifter karts” one driver has very different set-up needs from the other? The explanation lies in the “high-grip” part rather than the “shifter kart” part. Whereas Jos Verstappen and many other drivers use the traditional rear-wheel drive cornering technique, Michael Schumacher and a few others too – his brother Ralf, Jarno Trulli and Nick Heidfeld among them – use the huge grip of a modern F1 front tyre to do something that amounts to the complete opposite. It’s a technique that’s even further to their advantage because of traction control and paddle gear shifting.

    The traditional rear-wheel drive cornering style involves braking in a straight line towards the corner, turn in to the apex and then steer the car through the corner on the throttle, picking up speed all the time. It’s Jochen Rindt spectacle pur sang, and it requires big balls on exit. Now factor in the traction control curbing the power of a 900bhp engine. Where’s the rear-wheel powerslide? It’s gone. You may have to need double the amount of power to beat the TC system. Instead you need the TC to allow you to pick up any pace you might have lost into the corner. That is, if you did lose any pace. Remember Jos Verstappen’s comments about Schumacher’s Benetton – he described the B194 as ultimately twitchy at the rear, its wings, tyres, and suspension set-up all working towards huge front-end grip and a comparatively loose rear end. It caused Verstappen to lose lots of time on the entry, as he applied the traditional braking routine, and on exit too, as he grappled with the lack of rear-end grip which forbade him to steer his car on the throttle.

    Looking back, Verstappen’s comments make clear that Schumacher already perfected his style in 1994. He’s capitalized on it ever since. So what does it entail? Where does he win those vital tenths? It’s all about maximum speed into the corner, really. Instead of braking in a straight line Schumacher will turn a tighter line into the corner, carrying his straight-line speed up to the apex while braking later then usual. Now, if he would continue from there using the traditional exiting technique, he would run out of corner very quickly, as his speed would simply be too high to get around the corner. Which is where the most important ingredient of the Schumacher cornering style comes in – it’s using the brakes and the front-end grip to have the car’s rear end slide to the outside, making it shift into the correct exiting direction. Having paddle shifts and two-pedal foot control will allow him to keep the foot on the throttle to keep the speed alive while braking gently enough to force the rear end’s change of direction.

    What if it goes wrong? What if the braking is done a touch too gently? Others would simply run wide – the most common mistake in modern F1 racing. Not in the case of Michael Schumacher, as he uses two tricks that would hurt any other driver’s speed – either locking up a tyre or standing on the throttle, or both if necessary. The lock-up is not just about taking out the excess speed, that’s just a pleasant side-effect, it’s also about what happens next: it’s the sudden release of the brakes following the lock-up that forces another means of rear-end direction change – lift-off oversteer. Usually a very dangerous phenomenon for the unexperienced road-car driver, it becomes a vital part of Schumacher’s damage-limitation process. A stab of throttle goes into helping the direction change go full-circle. Doesn’t the TC cut in then? Yes, but it’s set with a slight delay, giving him some slack to create some more rear-end movement. It’s the last remaining part of the traditional technique that’s left in Schumacher’s paradigm of cornering instruments. So yes, F1 cars are rear-wheel drive, but in the hands of the best there’s is not much of their typical character left.

    • Marcelo disse:

      Pedro,

      Schumacher knew as Senna, how to use the force of back traction, specially in de curves, he liked to use a “pendulum effect” as Senna did. The story tells us that the best F1 drivers liked cars whose back was loose, exception to Prost who liked a conventional setup. But the way that Michael did it is at least questionable, because we can never agree to put lives in risk just to win.

  11. Pedro Chung disse:

    Os companheiros de schumacher tomavam muito tempo porque o carro era ajustado para o schumacao que gostava e gosta de carros que saem de traseira. Ele tinha um metodo todo especial para lidar com esses carros. O cambio semi automatico e o controle ilegal de trac,ao ajudava a ter tempos melhores que quase todos. Entrava nas curvas muito rapido, saia de traseira e conseguia contornar o apex(nao sei a palavra portuguesa..) tangencia, tangente???
    Se perdia o controle travava as rodas momentaneamente, e antes do controle de tracao fazer o seu milagre,acelerava e havia ….. Leiam o artigo no http://8w.forix.com/mschumacher.html, nao tenho saco de traduzir tudo isso,

  12. Antônio disse:

    Schumi nunca negou a superioridade de Senna.Em 94 ficou claro que Senna era mais rapido.

  13. alemão 78 x disse:

    her marcela, eu vir qui nesta blog parra te dar uma recado:
    parra de ficar puxando minha saco descaradamente como voce stafica fazendo.
    /até a korrina está desconfiada pensando que eu ter uma caso com voce.
    eu ter sido,muito bomno minha época, fiz algunas sujeiras sim, mas não sou o deus do velocidade que voce tanto alardea, aliás eu não quer ser Deus, já basta uma ex presidente de voces da brasil que pensa ser Ele.
    nunca eu brigar com ayrton senna, eu confessa que aprendi muito, um dia eu perguntar como fazer para ser com ele, ele me dizer: treino e dedicação, e foi o que eu fazer..
    quanto a rubinha eu gostar dele, me ajudar sim e muito nas meus campeonatos pelo ferrari
    ,marcela, por favor, menas, mensa puxasão de saco, deixe de ser tão mala.
    voce está setornando uma verdadeira pé na meu saco.
    agradeço por sua idolatria, mas outras pilotas tambem tiveram a seu valor dentro dos pistas de corrida
    stafica minha desabafo para com voce.

  14. Henrique disse:

    Um dos poucos momentos marcantes em que se encontraram, quem tiver sensibilidade de avaliar traçados, ouvir aceleradores em contorno de curvas( Senna fazia isso direto pra ganhar tempo) e avaliar diferença de evoluções de motores Cosworth, mesmo sabendo que cada pista é cada pista, e que cada piloto tem dias melhores ou piores, vejam o vídeo por favor

    http://www.youtube.com/watch?v=7ELMOuH1yLc&feature=related

    Abraço

    • enko disse:

      henrique. isso que eu chamaria de o braço do senna contra o motor de shumy, dá pra notar a diferença de cavalaria
      em 93 a maclarem utilizava o motor ford com uma configuração anterior do motor da beneton.
      e antes que as amantes falem que o ayrton jogou o carro em cima do alemão; so mesmo ele achou que daria para passar o senna naquele local,

      • Marcelo disse:

        Enko, para agregar sua informação:
        O Ford da Mclaren tinha uma deficiência de uns 40 cavalos em relação ao da Benneton, a diferença era um sistema de válvulas com umas “borboletas” de saída de combustível que aumentava a potência.
        A Bennetton era a equipe oficial da Ford logo recebia os melhores motores.
        A Mclaren, após perder a Honda, ficou com o “chapeú na mão” e teve que submeter às regras da Benneton.
        A Mclaren só recebeu o mesmo motor após mais ou menos a décima etapa de 1993.
        Abraços,

    • Batista Lara disse:

      obrigado pela dica… o alemãozinho não güentou o tranco.

  15. enko disse:

    viuvasxamantes, coloquem todos no octogono e teremos uma boa luta de mma.
    os experts em f 1 comentaram aqui cada perola que meu Deus

  16. Eds disse:

    Em 94 ate imola os Senna com a willians decadente frente a beneton irregular fez todas as poles. Nao deu no braço pro queixada. Quem tinha mais braço??? Nao tem q falar. O queixada perdeu titiulos pro Hill, Vileneuve e Mika, minha nosssa!!! qdo teve carros inferiores tomou pau. Teve sorte da ferrari ter por anos otimos carros e a sempre ajuda do barriquelo e massa.Dois pilotos fracos que so pensavam em ganhar dinheiro( o que eles fizeram bem). Em 94 o Queixada teve q jogar o carro pra cima do hill nunc curva ou reta sei la , de baixa velocidade. O Senna fez o mesmo, mas foi o troco de 89 e no final da reta de suzuka disputando curva. O Alemao era bom isso e fato, mas so bom, nada mais, apesar dos 7 titulos ganhos sozinho na pista praticamente.

    • Nelson disse:

      O cara é tão ruim que colocou mesmo sendo estreante o grande tri campeão no bolso em 92.Em 93 andou bem,em 94 pois de novo o tri no bolso e o carro da wiliiams era tão melhor que quase ganhou com hill.Só não servia para o tri…..

      • Lucas disse:

        “Colocou Senna no bolso em 1992″? Ih, melhor se informar direito. Dê uma olhada na tabela daquele campeonato e vai ver que, tirando o GP da Bélgica, em que Senna liderava até fazer uma estratégia desastrada de paradas (achavam que a chuva ia parar e ele só foi trocar pneus depois de todo mundo, indo parar em décimo segundo), e aí teve que passar o resto da corrida remando, não houve mais nenhuma corrida naquele ano que Senna tenha terminado atrás de Schumacher. Schumacher só terminou com aqueles três pontos a mais pelo fato de que a Benetton (que naquele tempo já contava com Rory Byrne) era muito mais confiável que a McLaren, tendo sofrido apenas três quebras por motivo mecânico (só uma delas com Schumacher) enquanto a McLaren quebrou dez vezes naquela temporada (cinco com Senna). Logo, fica claro que essa idéia de que Schumacher “foi melhor que Senna em 92″ não passa de mera falácia.

      • Nelson disse:

        Na espanha foi tambem 92 ou estou enganado?A obrigação de brilhar é de um tri campeão e não de um garoto iniciante,que ao final do ano já era melhor que o semi deus.Agora carro não quebra sózinho e aquela pane eletrica que deixou o carro chegar até aos boxes não foi muito estranha???????

      • Lucas disse:

        hahahahaha, você tem um excelente senso de humor, Nelson. Culpar piloto por pane elétrica e dizer que “carro não quebra sozinho” foi espetacular :)

      • enko disse:

        como carro não,quebra sozinho? para de cheirar meia, isto está lhe fazendo mal.
        todo novato tem obrigação de brilhar também para chamar a atenção dos veteranos e conseguir contratos melhores.
        o cara lê um texto muito bem escrito pelo flavio, onde na entrevista o alemão enaltece o concorrente, não entende patavina e vem aqui desmentir o próprio ídolo.
        flavio da próxima vez manda um e mail para o cara com desenhos quem sabe ele entenda.

      • Renato F1 disse:

        Peço desculpas de meter o bedelho onde não fui chamado, mas o carro que o Damon Hill correu o resto do campeonato era o FW16b, diferente do FW16 que o Ayrton Senna correu em 1994. Só para constar, a McLaren é mestra em fazer isso: constrói um carro, testa, vê que é uma porcaria, e faz um carro praticamente novo, colocando a letra b no modelo!!!

        Por isso, aquele carro, o FW16 era muito ruim. Se fosse bom não existiria o FW16b!!!

      • Bob disse:

        Segundo o Nelson Piquet as Williams tinham em 1992 e 1993 uma superioridade em eletrônica muito grande, principalmente na suspensão ativa, que era rastreada por satelite e não pelo bico do carro como o da Benetton, Mclaren, Footwort, Ferrari, além disto o FW16 era mais alto para se adaptar a suspensão ativa de 1993, a Williams teve uma briga muito grande com a Mclaren pelo título por isto, todo o corpo técnico estava tentando evoluir um carro que já era disparado o melhor da F1, já a Mclaren 93 teve muita sorte porcausa das chuvas que favoreceram o Senna, e também usou todas as suas forças para tentar reverter um título tido como perdido em 1993 a Mclaren melhorou muito nas últimas corridas ao usar o mesmo motor da Benetton e principalmente pela evolução da suspensão ativa. Todas as equipes em 1993 (exceto a Williams) tinham a suspensão ativa com problemas. Já a Benetton simplesmente desistiu de evoluir em 1993, e Ross Brawn e Rory Byrne preferiram trabalhar no modelo 1994. Resultado a Benetton tinha em 1994 um chassis muito superior ao FW14 da Williams até a metade do campeonato, com a entrada do FW14B, a Williams começou a reagir, além disto, segundo o Piquet os motores ford ganharam quase 40 cavalos pulando de 715 para quase 755, a Renault quase não ganhou cavalos entre 1993 a 1994, ficando nos 780. O Prost em fins de 1993 quando testou a Williams em Estoril, sem a suspensão ativa e outras eletrônicas ele já tinha previsto que a Williams perderia muito mais que os outros. Calcula-se que a Williams tenha perdido 2,0 segundos, já a Ferrari, Mclaren e Benetton perderão menos 1,0 segundo. Como o motor Ford Zetec se tornou mais superquadrado que o HB (pistão maiores e curso menor) ele se aproximou em Potência dos Renault. Ficando só 30 cavalos a menos. Scumacher ganhou no braço o campeonato de 1994, apesar de eu achar o Senna superior a Schumacher (em 1993). O Schumacher era um menino inexperiente com só 3 anos de F1. O grande erro do Senna era que muitos especialistas como Briatore achavam que ele venceria todas as 16 provas, por isto ele tentou um confronto com o alemão, que como se sabe tinha um conjunto melhor, o correto seria fazer como o Piquet fez com o Mansell em 1987 cozinhar ele, Mansell era mais rápido, mas o Piquet errava muito menos, ou como o Prost costuma fazer correr para pontuar. Senna deveria esperar vir o FW14B para massacrar o alemão nas pistas de alta, do segundo semestre. Não sou contra o Senna, acho ele um piloto fantástico, o Schumacher é inferior ao Senna em pilotagem, mas é mais frio. O importante é pontuar.

    • Fabio disse:

      A natureza é injusta demais por dar espaço a uma criatura dessas nesse planeta. Pelamor…

  17. Francisco Libânio disse:

    Se tem duas modalidades que eu gosto por serem extremamente justas com seus competidores é o tênis e a F1. No tênis, o cara que tem 20 Grand Slams é melhor que o que tem 9. Pronto. Indiscutível. O de 9 pode até ter ganho mais partidas que o de 20, mas não ganhou mais campeonato. Tremeu quando não podia tremer. F1 a mesma coisa. Se um tem SETE títulos e o outro tem TRÊS, o de três nunca pode ter sido melhor que o outro. Ainda mais quando além dos títulos, as estatísticas mostram superioridade. O heptacampeão tem mais vitórias, mais poles, mais pontos, mais, mais, mais… que o de três. Ponto final! Sem mais.

    Querer dizer que um cara de três títulos é melhor que um de sete ou é bairrismo ou é burrice. Se bem que os dois dão no mesmo. Todo bairrista é um burro em potencial.

    • Fernando Cruz disse:

      No ténis as raquetes são iguais, na F1 o carro conta uns 80 a 90% e o piloto entre 10 a 20%. É essa a grande diferença.

      Relativamente à questão Senna/Schumacher, não sei quem foi o melhor. Um tem um palmarés mais vasto, enquanto o outro é considerado pela maior parte dos obervadores internacionais (antigos e atuais pilotos de F1, jornalistas e chefes de equipa) como o melhor de sempre. Pelo rácio de vitórias e títulos o melhor de sempre não foi nem um nem outro, mas sim Fangio.

    • enko disse:

      assim como muito comentarista

    • Lucas disse:

      Meu deus, essa é a coisa mais engraçada que eu já li em toda a minha vida :) Não sei se você sabe, Libânio, mas na F1, os pilotos não correm sozinho. Eles dirigem umas coisas chamadas “carros”. E, todos os anos, há equipes cujos carros são velocíssimos, e outros que são lentíssimos, de forma que se você der os dois carros pro mesmo piloto, a diferença pode chegar a uns três segundos por volta ou mais, dependendo da temporada. Pois bem. Dessa forma, por mais incrível que possa parecer, quem tem o carro mais rápido tem “um pouquinho” mais de facilidade em ganhar vitórias, poles e títulos que aquele que tem o carro mais lento.
      Agora vem uma curiosidade: você sabia que o primeiro carro de Schumacher, a Jordan de 1991, não foi ao pódio? Pois é. Ele completou só alguns metros de corrida com aquele carro, e curiosamente, o companheiro de equipe dele quase ganhou a corrida, mas ficou só no quase, já que o carro, que se adaptou extremamente bem àquela pista, quebrou próximo do final e, no fim das contas a Jordan passou o ano inteiro sem fazer pódios. Depois disso o Schumacher foi pra Benetton, num carro que fez três pódios e uma vitória com Nelson Piquet. Sabe quando foi que o Schumacher pegou outra vez um carro que jamais foi pro pódio nas mãos de um companheiro de equipe dele? Só em 2011, com essa última Mercedes – vinte anos depois. O que é surpreendente, pois tirando o Nelson Piquet, os companheiros de equipe de Schumacher estiveram sempre entre o “razoavelmente bom” e o “medíocre”. Leve em conta o fato que Schumacher correu só metade das temporadas de 91 e de 99, e chegamos à conclusão que ele teve um carro bom o suficiente para ir pro pódio (até mesmo com pilotos sofríveis como Verstappen ou Irvine) em nada mais nada menos que dezesseis temporadas. Creio que não custa lembrar que nenhum outro piloto na história da F1 chega sequer perto desse número colossal de corridas em bons carros. Junte-se a isso o fato de que Schumacher é, também, o piloto que mais temporadas teve com o melhor carro do grid (e quando isso aconteceu, nunca teve como companheiro de equipe os melhores pilotos de seu tempo, muito pelo contrário), e vai perceber que o fato de que ele detém a maior parte dos recordes da categoria não é nenhuma surpresa.

  18. André disse:

    O engraçado é que as viúvas do Senna escrevem biblias de argumentação, e até fazem filmes pra tentar forçar pela goela de todo mundo sabe-se lá o que, que nem eles sabem o que querem.

  19. Juliano C. disse:

    O último rival e o “herdeiro” falando do Senna. Bacana.

    Sobre o Shumacher. Eu não sei como podem colocar aquilo que ele fez em 94, jogando o carro em cima do Hill no mesmo nível da manobra do Ayrton sobre o Prost em 90. O que o Ayrton fez foi errado. Agora, o que o alemão fez, foi execrável. Em 97 ele foi punido com rigor, por isso não conta tanto. Aquilo não transforma um heptacampeão em uma fraude – era um gênio mesmo.

    Quanto a discussão sobre que foi melhor, isso continua um porre. De todo modo, se quem prefero o Ayrton é viúva, o que dizer de um alemão pai de família de meia idade que toma “pau” de um garotão (ui!) loiro fim de semana sim e outro também? Garoto este que não tem nenhuma vitória e nenhuma pole na F1, e certamente não tem preferencia na Mercedes?

    • Fernando Cruz disse:

      Senna mereceu o título em 1990, tal como Schumacher também mereceu ganhar em 1994.

      Ambos erraram mas ambos escreveram direito por linhas tortas. Em 1994 o Schumacher foi completamente roubado pela FIA na segunda metade da temporada, muito mais do que o Senna em 1990. Além disso a manobra do Senna até foi mais perigosa, porque era na primeira curva, com todo o pelotão lançado a grande a velocidade. Eu adoro o Senna, sempre fui seu adepto, mas custa-me muito entender como a manobra do Schumacher sobre o Hill pode ser considerada como mais grave do que a do Senna sobre o Prost…

      • Juliano C. disse:

        Fernando, o Schumacher tinha acabado de quebrar a suspensão da Bennetton ao bater no muro. O máximo que ele poderia fazer era levar o carro até o box, desligar o motor, e ir tomar uma ducha. Em 97 ele foi excluído do mundial de pilotos pela manobra contra o Villeneuve. Certamente, a cagada de 94 pesou para a FIA tomar uma decisão tão drástica. De todo modo, jamais diria que o alemão foi uma fraude ou Dick Vigarista.

      • Fernando Cruz disse:

        Mas o instinto de um piloto não o leva a defender uma posição em qualquer circunstância? Aliás, até acho que Senna teria feito o mesmo naquela situação. Ele tinha acabado de bater no muro, mas como podia ter a certeza de que tinha danos terminais no carro? Passaram talvez uns três ou quatro segundos entre o toque no muro e o toque com Hill e estava em jogo um campeonato. Só o alemão sabe o que se passou na sua cabeça, mas parece-me que passou muito pouco tempo para se dar conta de que a suspensão do carro estava quebrada e a sua prova terminada…

        Em todo o caso, mesmo supondo que sabia que a suspensão estava partida, temos ainda os antecedentes, os pontos que lhe tiraram e aqueles que deixou de poder ganhar por ter sido suspenso em duas corridas. Sinceramente, tenho quase a certeza que nessas circunstâncias o Ayrton teria feito o mesmo. Pela revolta dele quando mudaram o lugar da Pole em Suzuka (o que depois o levou a nunca levantar o pé antes de bater na traseira do Ferrari de Prost) teria feito o mesmo que Schumacher fez em Adelaide… Ayrton não lidava bem com a injustiça e não iria conformar-se em perder um campeonato que já teria ganho se não o tivessem prejudicado na secretaria. Digo até mais, talvez um Hamilton ou um Vettel também tivessem feito o mesmo naquela situação…

  20. Gerson disse:

    Nem vou ler os comentários aqui, já é previsível o que vai aprecer. Só vou colocar 2 pontos:

    1 – Perguntado se viu/assistiu o filem “Senna”, Prost disse que não foi assistir ao filme e que pelo que contaram a ele, discorda de como foi retratado como “vilão” no filme. (O mesmo foi feito com Schumacher).

    2 – Em entrevista recente de Barrichello em um programa da Rede Record, o piloto brasileiro diz que sente falta de Schumacher, que lamenta que a amizade entre ambos esteja desgastada. E que quando foram colegas na Ferrari conversavam bastante e tinha boa relação de amizade.

    Será que RB daria uma declaração dessas na Globo? Em entrevista c/ o Galvão Bueno?…

    Tirem sua conclusões.

  21. Jairo disse:

    Fico impressonado com alguns comentários aqui no blog, uns defendendo o Ayrton ou o Schummi a unhas e dentes, sendo que o que importa é que ambos foram grandes campeões, cada um na sua época e utilizando das “armas” que tinham a sua disposição, é impressionante como para algumas pessoas o título de “melhor” ou “maior” de todos os tempos faz diferença. O Senna tinha suas qualidades e defeitos, assim como o alemão, então, essa é uma discussão inócua e que nunca terá fim, prefiro analisar que além de Fangio, Prost, Piquet, Fittipaldi, e mais alguns, cada um em seu tempo, o Senna foi um dos grandes pilotos da F1, assim como o Schummi sempre terá o seu nome marcado no automobilismo, é a minha opinião!!!!!!

  22. Burrinho Batiquebra disse:

    Essa pachecada me dá nojo…

    Pachecos, expliquem como a Benneton com controle de tração irregular foi ultrapassada pelo Alesi logo na largada de Interlagos 1994

  23. Flavio Francisco disse:

    Se o Schumi levar um chute no saco, esse tal de Marcelo fica sem os dentes.

  24. Marcelo disse:

    Bem, antes que me confundam com esse Marcelo que escreveu pra caramba aqui neste post ( pô, Gomes, o avatar da gente é quase igual! ) e novamente comecem à encrencar comigo ( já foi esclarecido, o Enko é gente boa. ), na minha opinião, eu só conseguiria comparar o Schumacher com o Ayrton caso eles tivessem corrido uma temporada inteira em condições de igualdade, digo isso porquê quando o Schumacher andava de Benetton, a McLaren já não era um bom carro, ou seja, se as duas equipes tivessem carros muito bons e eles disputassem ponto à ponto, corrida à corrida aí sim, pra mim, teríamos condição de dizer qual foi o maior. Infelizmente o que se tem como referência para comparação são as conquistas de cada piloto, desvantagem para o Senna, cuja carreira foi abruptamente interrompida. Gosto sempre de imaginar que caso estivesse entre nós, o Ayrton teria vencido a temporada de 1994, pois naquele ano, a Williams havia apresentado um pacote de atualizações ( no FW16b ) que fizeram com que o Hill “colasse” no Schumacher na pontuação, culminando com aquele final de temporada infeliz. Em 1995 o Williams FW17 também era um carro muito bom, o que faltou foi piloto, portanto, imaginando que o Senna lá estivesse, poderíamos ter vislumbrado um quinto título para o capacete amarelo, verde e azul.

    • Marcelo disse:

      Ah não Xará, você é o mala sem alça que escreve bíblias e bíblias com a mesma coisa rsrsrsrsrsrs…
      Concordo contigo. Se o Senna estivesse vivo (SE é ruim falar) talvez tivesse ganho mais uns 2 títulos e o Schummi ganho 2 a menos…
      Abraços,

      • Marcelo disse:

        Rsrsrsrsrs…o “mala” tem um avatar muito parecido com o meu. Que bom saber que a lógica é válida, provavelmente o Ayrton teria sido pentacampeão de F1 e o Schumacher também.

    • Marcelo 11:30. Muito bom comentário. De quem conhece. abs.

    • enko disse:

      obrigado marcelo, agora conheço seu avatar de cor pelos três traços horizontais.
      para o outro marcelo com avatar em azul. esse não é o marcelo mala sem alça, esse é boa gente, trabalha em interlagos e faz parte do instituto ayrton senna, falta nos dar o titulo do livro que voce escreveu.
      conco9rdo tambem com o seu post, pura realidade que as amantes do alemão nunca irão admitir.

      • Marcelo disse:

        Enko,

        Na verdade o livro escrito por mim e pelo Francisco Faustolo em 1999 e aborda o começo da carreira de um piloto. Então focamos o inicio do Ayrton na F3 inglesa pela Van Diemen e na F1 com a Toleman, mas existem outros relatos com outros pilotos em outras categorias também. O Chico ná época morava em Londres e fez uma excelente pesquisa junto ao pessoal que trabalhou com o Ayrton na Van Diemen, na Rushen Grenn e na Toleman e eu pesquisei no Brasil junto à alguns jornalistas voluntariosos, como o Lito Cavalcanti, que é um cara sensacional, e também passando o ponto de vista técnico e mecânico, que afinal é o meu universo. Enfim, o livro chama-se “Produzindo Talentos”, pela editora Contexto. Mas, a tiragem foi pequena e nós não ficamos ricos com ele rsrsrsrs…

      • enko disse:

        obrigado marcelo, vou procurar, me interesso po livro sobre p,iootos mbrasileiros.

      • Fabio disse:

        Ia dizer que o que esses dois tapados aí de cima fazem é uma tremenda viadagem. Mas é muito mais do que isso. É carência afetiva mesmo. Mas não se preocupem. As fanzocas do Schummi estão no mesmo patamar. Tudo a mesma b…rs

      • Marcelo disse:

        Fabio, dá pra respeitar quem você não conhece ou vai bancar o machinho folgado só porquê tá “escondidinha” na internet? Aqui cada um fala o que quer, mas sem ofender ninguém, se liga. É engraçado como na internet todo mundo é macho e desbocado….

      • Marcelo disse:

        Legal Enko.

        Eu, mais ou menos em 2003, solicitei à editora alguns exemplares e já não haviam mais disponíveis, exceto se eu encontrasse em alguma livraria. Encontrei em uma, na época em Pinheiros, porém hoje acho um pouco difícil, embora não tenha mais procurado, afinal o meu eu tenho rsrsrsrs. Mas boa sorte, verei com o Chico se ele tem algum exemplar à mais com ele, quem sabe.

    • Nelson disse:

      Foi em 94 que ele fez 0 ponto?

      • Marcelo disse:

        Sim Nelson – apenas 3 poles…

      • Nelson disse:

        exatamente.Carro ele tinha,só perdeu a cabeça por causa de um novato!!!

      • Marcelo disse:

        Foi. E foi em 94 que a altura do Williams FW16 estava mais baixa que o normal no começo da temporada em decorrência do retorno à suspensão convencional, deixando o carro muito travado e impedindo que atingisse uma velocidade maior, atrapalhando e irritando muito o Ayrton. Se esse foi um fator preponderante para os maus resultados do nosso piloto eu não sei, mas que contribuiu em muito eu não tenho dúvidas. Veja essa não é nenhuma desculpa pra o que aconteceu naquele começo de ano, mas é inegável o fato de que a Williams havia se ocupado demais no carro de 93 ( FW15 ) e no campeonato do Prost, que o francês fêz sim corpo mole nos testes do carro de 94 sabendo quem pilotaria, que um projeto de carro “passivo” era um retrocesso pra Williams, depois dos dois anos com carros ativos, quer mais alguns fatores que culminaram no péssimo carro do começo da temporada 94?

  25. Thiago Azevedo disse:

    Sem desmerecer o resultado do Schumi na Bennetton, já que ele andou muito forte naquela época – metia muito tempo em seus companheiros de equipe.

    Mas não concordo quando ele diz que ambos tinham carros excelentes em Interlagos, 1994.
    Para perceber que a Wlliams não estava tão bem, basta comparar o resultado do Senna e do Schumacão com os do Damon Hill:
    Classificação: O Hill tomou 1,5 segundos do Senna e 1,2 segundos do Schumacão.
    Corrida: O alemão meteu uma volta no inglês.

    O Hill já tinha corrido com o Prost, tinha uma baita quilometragem. Não era um bobo. Não tem como dizer que ambos os carros eram excelentes nessa corrida.

    • Danilo A. disse:

      A comparação está incompleta.

      Na verdade, se esse for o critério de comparação, devemos incluir os tempos de Jos Verstappen, companheiro de Schumacher na Benetton.

      Jos ficou 2.2s atrás de Senna, 1.9 atrás de Schumacher.

      Não acho um critério decisivo, mas se essa comparação tiver de ser levada em consideração, a Williams era um melhor carro.

      • Danilo A. disse:

        Acho que fica implícita a validade da afirmação de Schumacher, de que ambos os carros eram bons.

      • Thiago Azevedo disse:

        Danilo, não preciso dizer nada, pois o Lucas já lhe explicou. Mas…

        O Hill foi campeão, e o Verstappen?

        A Williams que iniciou o campeonato em 1994 era bem diferente da que terminou – o Hill, que tomou 1,2 segundos do alemão em Interlagos, venceu várias provas e brigou pelo campeonato até a última corrida. Sacou?

      • Lucas disse:

        Hum, é sério que você acha que Jos Verstappen é um bom parâmetro pra julgar a qualidade de um carro? Vale lembrar que os dois pódios de Verstappen em 1994 resumem tudo o que ele conseguiu de bom em toda a sua carreira. Só pra se ter idéia, ele não conseguiu sequer superar o Salo e o Barrichello correndo no mesmo carro que eles! Já o Hill fez um pódio de Arrows em 97 e uma vitória de Jordan em 98. Aparentemente há um “pequeno” desnível entre os dois pilotos, correto? Aliás, a equipe de segundos pilotos da Benetton era um verdadeiro show de horrores. O melhorzinho (Herbert) também perdeu, no mesmo carro, pra Barrichello, Irvine e Frentzen, além de ter tomado uma surra particularmente memorável do Jean Alesi. Já o “terceiro segundo piloto” da Benneton em 94, o Lehto, é um sujeito que antes de ir pra Bennetton tinha acabado de perder, no mesmo carro, pra Karl Wendlinger e Pierluighi Martini, e, não por acaso, encerrou a carreira ali mesmo na temporada de 94, quando, depois de suas corridas pela Benetton, fez mais duas pela Sauber em que perdeu vergonhosamente pro companheiro Frentzen. Acredito que dê pra ver claramente que não dá pra ter uma idéia muito boa da superioridade da Benetton com base nos companheiros de Schumacher.

      • enko disse:

        uma pequena história, o verstapen viu na telemetria onde o ayrtom e o shummy freavam no s do senna e comentou, se eles freiam ali, eu também freio.
        foi pra pista, aqueceu pneus e na volta lançada, bastou passar um metro de onde freava levou o pezão no freio na maior.
        o instinto de sobrevivência do cara falou mais alto.
        ou no popular como diz o milton gonçalves: quem, tem “C” tem medo.

  26. João Paulo Evangelista disse:

    Flavio, Pra vc que é imparcial:
    A Vitoria do Shumacher em interlagos em 1994 foi mesmo “roubada” ou é papo de brasileiro fanatico?

    Pra vc qm foi melhor:Senna, Shumacher ou Rubinho?

    • Squa disse:

      eh papo de quem nao sabe o que esta falando. Eu estava la, o Senna estava andando mais do que podia e rodou na juncao, so isso.

    • Marcelo disse:

      JP, pelo que conheço o Flavinho, ele vai falar que o melhor é o Rubinho rsrsrsrsrs…
      No GP Brasil de 1994 não acredito no roubo pois o Senna errou ao forçar demais o carro para reduzir a diferença do Schummi. O problema foi que a Benneton não estava usando aquele filtro no bocal de saída de combustível nos pits. Logo Schummi fez seus pits de 1 a 2 segundos mais rápido que Senna. Tal irregularidade foi detectada na fase européia e a Benneton/Schummi foi punida em 3 corridas.
      Abraços,

    • Fabiano Lacerda disse:

      Rubinho?? Putz. Me lasquei de rir…

  27. Carlos disse:

    Este Marcelo fala da pachecada… E ele fazendo pachecada do alemão…Já vi você comentando em outros blogs (http://blogs.estadao.com.br/livio-oricchio/italia-italia-mia/), defendendo igual um louco o Scummy e falando que os alemães são sempre os melhores, contra os fracos dos ingleses…
    Em 92 o carro do Senna era lixo total… Mas vc não fala de 93. Em 93 a McLaren passou a usar os motores fords, 2 gerações mais atrasadas que o ford do alemão, a Benneton tinha um chassi muito melhor, e assim mesmo ele deu um banho no alemão e ficou com o vice-campeonato, atrás apenas das Williams com motor de 100 cv a mais e toda a maravilha tecnológica daquele carro de suspensão ativa.
    Em 94 foi COMPROVADO pela FIA, não é pachecada, que o carro da Benneton estava totalmente irregular, tanto assim o é que após a exigência da FIA para adequar o carro, a Benneton nunca mais teve o mesmo desempenho do início do campeonato, e deixou até o Damon Hill, piloto medíocre, chegar com chances de título no final.
    Aliás, quando vc fala do filtro de combustível, chega a ser patético a sua defesa do Schummy….Então quer dizer que o Verstappen tirou o filtro do próprio carro pra vençer o Schummy? Hahahahah…Estou até imaginando o Verstappen: “Peraí, vou ficar de butuca com uma chave de fenda na mão, quando ninguém tiver olhando, eu desmonto o bocal do filtro, e vou enganar todo mundo, a equipe, os engenheiros e meu colega piloto”…kkkkkkkkkk
    Não fale besteira…A própria Benneton admitiu que tirava o filtro dos DOIS carros, e ainda disse que foi recomendação da fabricante da máquina de reabastecimento…
    E, falando em pachecada, meu caro amigo germânico, então você defende o Schummy jogar o carro propositalmente no Hill? Que bonito…
    O Dick Vigarista sempre foi especialista nisto… Jogou o carro contra o Villeneuve em 97, deixou carro parado em mônaco pra ferrar a volta do Alonso, sempre precisava de um segundo pilotinho na equipe pra fazer estratégia a favor dele, bem diferente de Prost e Senna se pegando de igual pra igual com o mesmo carro e da RBR e McLaren atuais que tem pilotos top e não interferem no resultado das corridas.
    Vou terminar esta explanação com uma frase bem coerente de um colega que te humilhou lá no blog do Livio te desmentindo:
    Marcelo, o fanatismo e a mentira são as maiores porcarias da humanidade.
    (poucos sabem isto)

    • Burrinho Batiquebra disse:

      Ainda bem que você não é fanático né?

    • Marcelo disse:

      Esse meu xará tem me dado algumas “momentos muito interessantes” neste blog…rsrsrs…
      E ele é bom de pesquisa, pena não ter a cabeça aberta pra outras realidades que acontecem na F1.
      A propósito, será que o Lito que comentou o post dele no blog do Livio Oricchio é o Lito Cavalcanti, grande jornalista brasileiro do automobilismo?
      Caramba…

    • Nelson disse:

      incrivel,um filtro ficou famoso por derrotar um semi deus e ainda o fez rodar sozinho.Ou será que a chegada de um alemaõzinho no retrovisor o assustou,coisa que a muito tempo não sentia?

      • enko disse:

        se o alemãozinho estava na frente na hora que o “semi deus” rodou, como ele poderia chegar no retrovisor do senna?
        explica essa agora o oráculo.
        assista esse video da africa do sul, (cuja foto está no post) e veja o que é andar em um carro com motor inferior e com um alemãozinho no retrovisor.
        deixa de falar bobagens, senão o alemôn 7x ye pega.

  28. Andre disse:

    E so ele falar educadamente e fino que o povo esquece das trapassas em pista. Parar em Monaco estrategicamente pra ninguem mais fazer tempo, espremer o Rubinho na parede (criminal), jogar o carro pra cima do Vileneauve (alias bem mal feito, Senna foi mais preciso), e diversas outras…

    • Burrinho Batiquebra disse:

      “Trapassas”. O cara não se preocupa em se alfabetizar e quer meter o bedelho no trabalho dos outros.

    • Nelson disse:

      Alguem se lembra de quantas vezes o semi deus jogou o prost em cima do muro,principalmente na austria? e não foi defendendo posiçao,foi lado a lado de propósito mesmo.Foi o campeão OMO – mais limpo impossível!

      • enko disse:

        sabem porque p nelson chamou o ayrton de semi deus?
        porque deus é o shumacher
        outro puxasaco descarado do alemão.
        aliás parece que li um desabafo do mesmo para o tal marcelo msa,
        (mala sem alça)
        lei que sabe a carapuça lhe sirva também.

      • Nelson disse:

        Não é não seu mala inclusive sem rodinha.O mocinho é que se achava e todo mundo comentava na época.Ele dizia que conversava com Deus,tinha visto uma LUZ em monaco e outras baboseiras mais.Não fui eu quem inventou.Shummy não é deus,foi só o melhor piloto na opiniaõ de quem correu nos 60,70 aqui e na europa e conhece um pouquinho do que fala.

      • enko disse:

        sério?, não brinca, me parece que é o contrario a opinião européia.
        seu próprio deus, (o alemão), fala isso até hoje.
        E se ele viu ou conversou com Deus, (não o alemão), isso se deve a religiosidade dele, a espirtualidade dele, se voce não acredita…
        para mim voce não passa de um embrulho de jornal na chuva, (quer coisa mais difícil de carregar) heheheheh

  29. Para Marcelo disse:

    Cara, você se esforça tanto… merece uma medalha!!! Mas só uma dica… vá arranjar uma mulher!

  30. Marcelo disse:

    Outra corrida do novato alemão pilotando melhor que Senna na chuva(BEL92), e Schumcher passou o “heroi” por fora na curva, e no molhado. Pena que a imagem foi cortada(4:30) no vídeo abaixo, depois Senna roda sozinho.

    Senna já tinha rodado na chuva no GP da ESP 92, o novato nesses dois GPs…não errou nada. Foi segundo na ESP, e venceu na BEL. Ninguém apareceu pra dizer que o carro tava irregular. E eu me lembro muito bem dessa época, o alemão foi muito elogiado por bater Senna na chuva, isso chamou muito atenção na época. Na BEL o novato alemão andou mais até que as Williams com suspensão ativa, fez a melhor volta da prova.

    Volta a volta do GP da BEL 92
    http://www.statsf1.com/en/1992/belgique/tour-par-tour.aspx

    Se procurar no tube, acha essa ultrapassagem do alemão em cima do Senna!

    Belgium GP 1992-the first victory of Michael Schumacher
    http://www.youtube.com/watch?v=Sdj_nhOcj64

    O Senna fez uma baita cagada nessa corrida, ele tinha essa mania de querer resolver tudo no volante, muitas vezes quebrou a cara, nunca foi um piloto cerebral. Era veloz, arrojado, mas muito afobado!!!

    Começou a chover no começo da prova, todo mundo foi para o box trocar pneus pra chuva, e Senna querendo dar Show segurando o carro no “braço”, poucas voltas depois era ultrapassado até pela nanica Lotus do novato Hakkinen. E sofreu para ultrapassar o finlandês, só foi conseguir no final da prova.

  31. Marcelo disse:

    Schumacher na chuva largando e andando na frente do “Herói Nacinal”, e a Benetton nem estava totalmente desenvolvida, Schumacher era ainda novato em 1992, mas andando na frente de um tricampeão na chuva.

    Volta a volta GP da Espanha 1992
    http://www.statsf1.com/en/1992/espagne/tour-par-tour.aspx

    Abaixo vídeo da corrida completa pra pachecada ver que foi na chuva, e o alemão ainda abria vantagem.

    1992 F1 Grand Prix Full Race- Spanish Grand Prix PART 1 (START)
    http://www.youtube.com/watch?v=-vUkH3Yq9yo

    Schumacher chegou em segundo de forma fantástica e Senna…advinha.

    O alemão era fera mesmo, chegou peitando os grandes que estavam nas melhores equipes, mas isso sempre ocorreu na F1, quando o piloto é fora de série ele bota pressão logo de cara. Maioria dos campeões fizeram isso!.

  32. Takawara Nashiota disse:

    FG, você escreve bem, todos aqui gostam de acompanhar o que você escreve, mas escrever para puxar o saco do Schumacher e do PT já deu… Na boa…

    #quemavisaamigoé

    • Flavio Gomes disse:

      Deu, né? Eu, se fosse você, nunca mais viria ao meu blog.

      • FG,

        Na posição de grande admirador de seus textos, eu dou o maior apoio para você abrir um novo Blog e lá falar mal da Controlar, do Kassab, do Senna, do UFC, do PSDB e falar bem da Lusa, do PT, da Lada…etc. Seria um Blog de assuntos do cotidiano, daí você concentra aqui seus textos sobre Automobilismo.

        Mandei seu ótimo texto sobre a Controlar para muitos amigos que não gostam de Automobilismo e eles adoraram o texto. Aí temos um exemplo de público que você poderia atingir com um novo Blog!

        Eu, de coração, acho que seria interessante, principalmente em ano eleitoral, no qual os ânimos tendem a ficar mais exaltados.

        E pro favor volte com o “Bem, Merdinhas”. Era sensacional!

  33. Marcelo disse:

    Piquet comenta a Evolução Técnica do Ford Zetec de Michael Schumacher em 1994.

    http://www.youtube.com/watch?v=m0fAYahAAmg&feature=related

  34. Marcelo disse:

    “Pra quem chora até hoje, e não se conforma com a derrota em Interlagos”

    Aquela Benetton em 94 era fantástica, tecnicamente era muito superior a “defasada” Williams, e o motivo estava embaixo do carro!

    Brawn-Byrne-Schumacher depois de 2 anos trabalhando duro conseguiram enfim, desenvolver ao máximo o bico alto+assoalho, chegando a resultados incríveis graças ao “downforce”(pouco explorado no assoalho na época). Tanto que, o carro bateu recorde de pista na pré-temporada, surpreendendo a todos. Esse trabalho da Benetton começou em 1991 no carro de Piquet utilizando o bico alto, mas ainda tinha muita coisa pra desenvolver até o assoalho ficar perfeito, Piquet praticamente não aproveitou nada desse novo conceito criado por Brawn e Byrne.

    Só que, o mundo achou que a Benetton do alemão estava usando controle de tração + controle de largada, só que ela nunca foi punida por isso. E o caso do filtro foi achado no carro de Verstappen(ele acusou Schumacher recentemente, mas foi ele quem foi pego trapaceando sem o filtro).

    Se Schumacher tivesse os “controles”, não largaria tão mal na primeira corrida e em outras na temporada, isso já mostra que o carro estava limpo dessa acusação. Só restou a Senna CHORAMINGAR acusando a Benetton de trapaça, falou isso depois do “pau” que levou em Interlagos.

    “O Senna erra, roda na pista em Interlagos, abandona e a culpa é do alemão?”

    Vários fatores técnicos estavam a favor da Benetton, uma delas era o trabalho de box(isso, nunca foi o forte da Williams), já a Benetton caprichava muito nisso desde 1992.

    O que me deixou perplexo na época, foi o ritmo de corrida da Benetton, Schumacher chegou a colocar 8 segundos em cima de Senna em Interlagos(isso não tem nada haver com filtro, aí é velocidade pura de carro x carro), portanto carro Schumacher tinha de sobra para ultrapassar na pista e vencer. Só que, as corridas em 94 passou a ter outra “dinâmica” por causa do reabastecimento, e a Benetton tinha um mestre na estratégia…R.Brawn.

    A estratégia era Schumacher largar com mais gasolina, se o alemão estivesse atrás, esperava a parada de boxes, no momento que os dois carros fossem para o boxes(caso de Interlagos), a Benetton fazia o reabastecimento mais rápido porque colocava menos gasolina, logo saia a frente, simples!!! Se parassem em voltas distintas, Schumacher que tinha mais gasolina(e pneus) fazia voltas “voadoras”, entrava no boxes e voltava a frente. A Benetton caprichou nos detalhes, já a Williams apostou tudo no “braço” de Senna, quando viram que ele tinha dificuldades com o carro, começou a pressão…

    Aí começou o zum zum zum na mídia:

    “Um alemão com pouca experiência em equipe mediana andando a frente de um tricampeão na toda poderosa Williams? Só pode estar roubando do nosso heroi”

    Ué, o genial trio da Benetton trabalhou pra isso, Vettel fez o mesmo com Newey na RBR, começou lá trás hoje encara Maclaren e Ferrari. Brawn em 2009 fez o mesmo no carro do Rubens e Button, dessa vez a pachecada não atacou a equipe de trapaça, mas as rivais acusaram o difusor de ser ilegal(como a equipe era inglesa, e tinha piloto inglês), os cartolas ingleses da FIA ficaram quietos…já sabiam das chances de Button, o carro era fantástico!

    Senna estava tão desesperado com aquela Williams, que ele mesmo admitiu que o carro não foi com a cara dele. Pra piorar, acertar carro nunca foi o forte do brasileiro(partindo de trás, ele nunca desenvolveu chassi ou motor até o título, na Mclaren pegou um super carro, e quando o mesmo caiu de nível técnico, Senna foi correr em outra equipe que dominava tudo em 92/93, a Williams).

    Aí a mídia brasileira veio com aquele papo-furado que o “nosso herói” estava super deprimido com o acidente do Rubens, morte do austríaco nos treinos de Imola, porque não tinha mais Prost, Piquet e Mansell na pista.

    Quem foi tricampeão sabia o que se passava na cabeça de Senna, quando perguntaram Piquet respondeu na lata:

    Piquet falando sobre o ‘Migué’ de Senna em 1994
    http://www.youtube.com/watch?v=MsTsAGlzheo&feature=related

    E isso foi muito questionado na Europa, o Gomes sabe disso, aqui no Brasil foram por outro caminho, que a Benetton roubava o “nosso heroi”…pior que o povo acreditou.

    A culpa não pode ser jogada toda em cima do carro Williams, Senna fez 3 poles seguidas mostrando que o carro era bom, se ele errou em Interlagos e AIDA, aí o problema não é do carro, muito menos de Schumacher.

    D.Hill ainda novato venceu várias corrida e fez vários pódios em 94, e ele nunca reclamou do carro, já Senna achou o carro extremamente desconfortável, ele mesmo admitiu que, se engordasse 1 kilo a mais não caberia no carro. Tanto desconforto fez ele pedir para mudar a distância do volante. Na pré-temporada chegou a dizer que o carro era uma merda, e o Gomes é testemunha vida disso, ele tava lá!

    O estilo de pilotagem de Senna não bateu com o carro esse foi o problema, tanto desconforto se refletiu rapidamente nas corridas, Senna rodou em Interlagos, largou mal em AIDA(se largasse bem evitaria a batida com Mikka), e nos treinos em IMO Senna rodou sozinho.

    Enquanto isso, em treinos e corridas Schumacher era veloz-preciso vencendo tudo!!! Ou alguém vai dizer que Senna tava piltando melhor ao volante?

    Agora, imagina o quanto aquele carro Benetton evoluiu durante a temporada? Do outro lado uma Williams aguentando Senna que só reclamava do carro(e atacava o outro que ele sequer conhecia).

    O fantástico “downforce” no assoalho da Benentton fazia o carro andar sobre “trilhos”, isso é bem nítido em Interlagos, e nesse GP a Benetton também estreiou um novo motor mais forte. O carro estava pronto pra disputar títulos, e o carro era tão bom que em 95 ninguém veio com acusação de trapaça. O que aconteceu foi que TODO o GRID da F1 estava copiando o fantástico conceito da Benetton, nunca mais as equipes quiseram saber de bico rente ao chão.

    Em 94 a Williams usou o “bico no chão”, e Senna criticou duramente o carro dizendo que ele era “nervoso” de guiar(falta de downforce?), o carro tinha problemas de aderência, mas estava longe de ser um carro ruim, basta ver o que o novato Hill conquistou nesse ano.

    Quando a equipe Williams percebeu o que realmente fazia aquela Benetton “voar”, já era tarde, só restou a Williams copiar o bico alto para 1995, mas ela e toda F1 se “ligaram” que o segredo estava no ar que passava no assoalho, o bico alto era apenas a ponta do iceberg.

    Senna estava extremamente incomodado com as vitórias do alemão, aí só restou dar a desculpa que Schumacher estava roubando. Só não entendi porque Senna não fez o mesmo em 92/93 quando Schumacher venceu! E venceu batendo as poderosas Williams na pista, na BEL 92 Schumacher ainda passou Senna por fora na curva e no molhado!!! Ninguém acusou o alemão de trapaça!

    O carro de Schumacher em 94 só foi punido tecnicamente uma vez(caso da prancha na BEL), e qual o problema? Senna em 87 foi desclassificado por freios irregulares:

    SENNA TRAPAÇA, 2º LUGAR (AUS 87) COM FREIOS IRREGULARES, DESCLASSIFICADO!!!
    http://www.youtube.com/watch?v=fzdrpcPE-Tc&feature=context&context=C3f5387cADOEgsToPDskIXxu1p7hIayS6JlER99KQH

    No caso do filtro, quem garante que só foi a equipe de Verstappen quem tirou ele? O Holandês estava puto da vida de tomar pau do alemão, poderia ser tirado ele para ganhar vantagem, e se ele foi pego paciência. Verstappen não bateu o alemão porque a Benetton se concentrou no carro do alemão, foi ele quem ajudou a desenvolver o segredo da equipe(isso com certeza tem no contrato). O carro de Verstappen pelo jeito nem “downforce” tinha no assoalho, por isso ficava sempre atrás…rs

    “vc trabalha 2 anos desenvolvendo o carro, pra depois dividir? ”

    Piquet em 87 caiu fora da Williams por causa disso, Prost em 89 fez o mesmo na Mclaren!!!

    Outro detalhe, várias equipes em 1994 estavam sendo acusadas de trapaça(tem que ser muito inocente achar que é só uma fazia), entre elas a Mclaren de usar um câmbio fora do regulamento, e a Williams de tentar arrumar mais jogos de pneus(falta de downforce?), isso com Senna na equipe. Como podem ver, “supostas” trapaças sempre existiram, basta ver as suspeitas em 2012 com relação aos escapamentos.

    Ficar só atacando Schumcher e Benetton em 94 é desculpa de péssimo perderdor, foi o que aconteceu com Senna em 1994, e seus fãns.

    A verdade é uma só, aquela Benetton arrasou 1994 e a Williams não ia ter chance, ainda mais com Senna jogando corrida fora. Todas as corridas que o alemão terminou, ou ele foi primeiro ou foi segundo. Isso com os ingleses da FIA tentando “ferrar” o alemão o ano todo(quem lembra do GP da Inglaterra, lembra da palhaçada que fizeram contra Schumacher).

    O alemão que nunca foi trouxa, só esperou a última corrida para dar o troco nos ingleses(eles fizeram de tudo para impedir o primeiro título alemão na F1). A guerra em 94 poucos perceberam, não era mais na pista, e sim entre paises: Alemanha x Inglaterra, Schumacher x FIA-D.Hill.

    E quando Schumacher jogou o carro em cima de Damon, ele o fez com muita razão, teve seus motivos. Curiosamente, em 2011 justamente no GP da Inglaterra a FIA muda o regulamento para “ferrar” outro alemão(Vettel), seria para favorecer Lewis e Button? Não deu certo, Vettel foi campeão…

    • Edu Rodrigues disse:

      Putz velho… Pra que escrever tudo isso? Tá tentando arrumar um emprego de colunista com o Gomes? E ainda fica de plantão, vendo as atualizações, pra rebater qualquer coisa que escrevam aqui?
      Você escreveu um COMENTÁRIO maior que o texto do Gomes só pra falar que o Schumacher era melhor.
      Só uma palavra pra você: menos…

    • Fernando Cruz disse:

      “D.Hill ainda novato venceu várias corridas e fez vários pódios em 94, e ele nunca reclamou do carro, já Senna achou o carro extremamente desconfortável, ele mesmo admitiu que, se engordasse 1 kilo a mais não caberia no carro. Tanto desconforto fez ele pedir para mudar a distância do volante. Na pré-temporada chegou a dizer que o carro era uma merda, e o Gomes é testemunha vida disso, ele tava lá!”

      Na primeira prova em Interlagos o Damon Hill chegou a perder uma volta para Ayrton Senna depois de ter ficado a 1,6 segundos do brasileiro na qualificação. Isso mostra bem o quanto o Williams estava desiquilibrado relativamente ao Benetton e é evidente que ao longo do ano foi melhorando. Se Damon Hill acabou por perder o campeonato apenas por 1 ponto, penso que Ayrton Senna acabaria por ser campeão se beneficiasse das mesmas ajudas que o Hill teve por parte da FIA. A questão é que com Senna a FIA não iria ter a tentação de interferir no campeonato e aí seria muito difícil recuperar os 30 pontos de desvantagem com que o brasileiro iria saír de Imola, isto claro se tivesse saído do acidente vivo e de boa saúde.

      Quanto à possibilidade do Benetton estar ilegal, acho que pelo menos no GP da França poderia ter o controlo de tração instalado, pois foi suspeita a facilidade com que Schumacher passou os Williams de Hill e Mansell logo na partida. Já em Interlagos não teria o controlo de tração instalado mas beneficiou de uma ilegalidade que permitiu reabastecer o carro mais rapidamente e saír das boxes na frente de Senna.

    • Murillo disse:

      Cara acorda, olha só em 1994 a Williams só foi ser rapida e confiavel quando lançou o segundo carro no mesmo ano o FW16B, só então o D. Hill passou a ter changes de lutar com o Schumacher.

    • ale disse:

      Cara, pior do q as viuvas é vc heim, mala.

    • Guilherme Fortuna disse:

      Meu amigo… supostas “trapaças” acontecem todo ano. Nada mais nada menos do que uma tentativa de driblar regulamentos quadráticos. Isso, não há como negar, faz parte da história da F1… os mais recentes foram a Brawn em 2009 e a RBR. Quem consegue dar o pulo do gato leva vantagem. A Benetton deu o seu em 94. Esse ano já tem gente querendo aquecer pneus com ar do escapamento…

      Depois de ganhar com os pés nas costas em 92 e 93, a Williams viu por água abaixo tudo o que fazia o diferencial do carro. Os controles eletrônicos foram totalmente banidos e o carro se tornou comum. Uma coisa é Senna fazer uma volta rápida (aliás, ele era mestre nisso) num carro instável, outra é brigar contra falta de aderência uma corrida inteira. Eu, sinceramente, não acredito naquela desculpa esfarrapada de que os componentes da Benetton estavam desligados, mas acredita quem quiser…

      Você floodou vários comentários aqui de momentos do Schumacher levando a melhor sobre o Senna, mas há vários outros momentos do Senna levando vantagem sobre o alemão também. Só pra citar um (pra não floodar), cito Donington Park 93, passando com duas rodas fora da pista e naquele molhado… Meu ponto é que não dá pra se ter uma comparação real entre os dois. Não há uma temporada inteira brigando por títulos. Fica o pessoal aqui chamando de viúva ou de chupa-ovo do alemão… um saco!! Cada um fez sua história e a de Senna, infelizmente, foi interrompida tragicamente. Schumacher fala que aprendeu muito com Senna e ele, como um novato, tinha que fazer isso mesmo! É com esse tipo de atitude que se desenvolve um talento.

      Hoje, com temporadas inteiras para comparar eu ainda acho o Alonso mais piloto que o Vettel e que o Hamilton. Bateu Schumacher dois anos de Ferrari. Ao mesmo tempo, Alonso tomou pau do estreante Hamilton na McLaren. E aí? Qual dos três é tecnicamente melhor?

    • Marcelo disse:

      Xará mala sem alça!!!!

    • Marcelo disse:

      Pô, Marcelo!

      A gente tem o avatar parecido e nomes idênticos, com isso eu andei lendo algumas ofensas dirigidas à mim e agora sei porquê.
      Você é bom de pesquisa e vejo que gosta mesmo de Fórmula Um. Mas, não dá pra te defender não, viu!
      Você é muito inflexível no tocante à pilotos alemães, cara! O Schumacher foi bom, de alguma maneira mereceu alguns dos títulos que conquistou e o Vettel tá fazendo a história dele. Mas e o Glock, o Half e o Frentzen, por exemplo? O que falar deles? São alemães também!
      E outra coisa muito mais séria, quando se joga o carro em cima de outro carro, você potencialmente pode causar um acidente de proporções trágicas, e não acho que esse seja um artifício concebível em nenhum esporte, tanto que hoje a regra prevê punição quando se muda a trajetória duas vezes.
      Então, torça pra quem você quiser, mas nunca enalteça esse tipo de atitude.
      Não te chamarei de “mala” porquê não sou ninguém pra julgar alguém.

      • Nelson disse:

        voce tem toda a razão.Como tiraram em um ano os pontos do shummy,deveriam ter tirado todos os pontos do semi deus em todos os anos.Se esquecem do que ele fazia com todos,principalmente com prost?nas retas,carros lado a lado ele simplesmente jogava o carro em cima e ficava por isso mesmo.Os bobos ainda falam que o balestre não gostava dele.É só assistir o programa top gear sobre ele em que falam que ele “JOGAVA DURO’.Para uns é desleal,para o semi deus era “coragem”.O tri campeão OMO- sempre limpo.

      • Marcelo disse:

        Nelson, é lógico que o Ayrton não era santo. Mas, me cite as corridas e as vítimas do Senna em suas “manobras homicidas”, já que você disse “todos os anos”. Fechar a porta em uma entrada de chicane em velocidade reduzida como aconteceu em 89 e 90 é até normal e se o Prost quisesse poderia ter tirado. Ele não foi o único à fazer isso, e eu não concordo com esse tipo de atitude. Agora, reveja a corrida de Spa em 95 e repare no que o Shumacher fez com o Hil em alta velocidade e na chuva, veja o que ele fez com o Alesi no mesmo ano, tente se lembrar da ultrapassagem que ele executou na saída do túnel em Mônaco sobre o Rubens em 2005, não faz muito tempo reveja a verdadeira tentativa de assassinato executada também contra o Barrichello em 2010 na Hungria, manobra totalmente insana e desnecessária, afinal não havia ali nenhuma disputa de ponta e nem mesmo uma tomada de curva. Se fosse assim, o Damon Hill também deveria ser punido com as “cagadas” de Silverstone e Monza em 95. Não tem jeito, se relacionarmos as “vigarices” dos dois, o alemão ganha disparado. E o Jean Marie Balestre “amava” tanto o Ayrton que ostentava em seu gabinete uma foto do Prost. Estranho esse amor, não acha? E porquê será que o Mansell nunca “choramingou” nas disputas dos títulos de 91 e 92?

      • Nelson disse:

        marcelo:voce é um cara coerente e bastante bem informado,mas nesta não estou contigo.Pesquise corridas em disputas com prost,veja o documentario do top gear e princi palmente uma corrida na austria que não consigo achar:ele jogava o carro em cima do prost varias voltas seguidas.Para mim sempre foi um serial killer.Hoje seria banido.Hamilton só por ser afoito tem todos contra ele.Resumindo:Nosso campeão no meu entender foi o piloto com menor espirito esportivo de todos que já vi correr.Só era bonzinho na tela da globo ou quando estava liderando.Um piloto que não saber perder não deveria ganhar.Simples assim.

    • enko disse:

      e ficar atacando eternamente o senna e maclarem, a final onde vocequer chegar, alegar alemanha contra inglaterra e a 3ª guerra mundial?
      por acaso voce é germânico ou descendente? não porque seu sobrenome é costa.
      e se ele fez como voce descreveu. jogando o carro em cima dohill na última prova, mostra o carater anti dersportista, pois o fez de caso pensado.
      o senna perdeu três corridas, e na terceira.a vida, mas quem garante que ele não teria desenvolvido o carro nas próximas?
      chutar cachorro morto é fácil meu caro, mas se o cachorro tiver ainda algo de vida ele morderia com certeza.

    • Lucas disse:

      “Só que, o mundo achou que a Benetton do alemão estava usando controle de tração + controle de largada, só que ela nunca foi punida por isso.” Pois é, ela nunca foi punida por isso. APESAR do fato de que a Benetton comprovadamente correu com um carro ilegal em 1994. Leia mais sobre o assunto e você vai descobrir que a Benetton enrolou a FIA enquanto pôde para não entregar o código-fonte da ECU (unidade de controle do motor, através do qual seria possível verificar se havia controle de tração e de largada), e mesmo depois disso tudo a FIA ainda conseguiu confirmar que de fato havia ilegalidade no sistema de controle. Não parou por aí: a Benetton alegou que “o sistema estava lá apenas para testes, e não tinha como ser ativado pelo próprio piloto”. Uma nova investigação mostrou que isso era também falso, e o sistema permitia ao piloto ativá-lo com uma sequência de comandos antes da largada. E aí o que aconteceu? Acabou em pizza: a FIA resolveu não punir a Benetton, porque “não tinham como provar que o sistema tinha sido usado”. Não é incrível? Ah, e vale lembrar que não era só o sistema de controle do motor que era ilegal – a alteração da bomba de combustível que permitia à Benetton fazer pit stops muito mais rápidos que os das outras equipes também foi comprovada (mas só depois daquele incêndio no carro do Verstappen). Deu em pizza, também. É aquela velha história deles não quererem “atrapalhar o show”. Se tivessem banido a Benetton, como deveria ter acontecido, simplesmente não haveria briga pelo campeonato, já que o único carro melhor que a Williams era a Benetton os outros estavam muito atrás. É similar ao que aconteceu em 2006, quando a FIA ignorou completamente as asas ilegais que a Ferrari usou em diversas corridas, mas baniu um sistema (os amortecedores de massa) que ela mesma, além de Charlie Whiting e dos fiscais de pista que fizeram o escrutínio do carro da Renault, já haviam declarado que era legal – tudo para, artificialmente, criar um final de campeonato eletrizante, com a Ferrari subitamente se tornando o melhor carro do grid na segunda metade da temporada não por méritos próprios, mas pelas intervenções da FIA.

      • enko disse:

        espero sinceramente que as amantes leiam o comentário do lucas e se conscientizem da ilegalidade da benneton naquele e em outros anos, o briatore sempre foi um mafioso.
        fez tantas até ser banido, coisa que deveria ter sido feita naquela época

      • Marcos disse:

        A FIA só descobriu as irregularidades no meio do campeonato, se ela punisse a Benetton do Schumy (o Vestappen não usava o controle de tração pelo barulho do motor da para ver isto no GP de São Marinho) ela teria que punir os 2 Ferrari e as 2 Mclaren que também usaram o sistema, o campeonato de 1994 teria sua credibilidade afetada, prejudicando patrocínios e outras coisas…foi uma decisão política…

    • marcos disse:

      Pois senhor Marcelo Costa você mesmo se intitula o fã n°1 do Xume, só que foi você criou um BLOG no youtube como scuderiaferrari27 feita por você mesmo e depois usa nas suas análises “imparciais” como “FONTE” das suas análises, imagina que você disse: Senna Trapaça com freios irregulares…baseado nisto o Piquet, Prost, Mansell, Schumacher todos seriam trapaceiros também …o que ocorreu na Lotus foi o uso de uma canalização maior nos freios na Lotus no GP da Austrália, a culpa não é do Senna e sim do Gerard Ducarouge o diretor técnico da equipe, aliás ele foi demitido da Alfa Romeu por correr com o carro com 2 kgs a menos…Prost também quando foi desclassificado com o carro mais leve não foi o culpado, pilotos são empregados e obedecem aos patrões. Como uma pessoa pode fazer um comentário tão ingênuo….

  35. Burn baby Burn.. disse:

    Pensando melhor, e avaliando as duas décadas, não foi culpa do Michael aquele episódio, mas sim da besta Briatore, Imagine se o alemão contasse sobre o filtro retirado.. com certeza sofreria sanções parecidas com que o Piquet Junior sofreu..

    Logo em boca fechada não entra moscas.. rsrsrs

  36. enko disse:

    realmente henrique, bem lembrado,,mas daqui a pouco virá o amante de alemão dizendo que o senna era isso ou aquilo e que o eterno deus do automobilismo era melhor do que todos os corredores juntos, é só aguardar os próximos post.
    sr marcelo torcedor de alemão; ligaram para voce; raul seixas e disse: ei seu marcelo, vê
    se te orienta, assim dessa maneiras nego, o blog não te aguenta.
    eheheheheheheh.

    • Danilo Cândido disse:

      Calma, Enko, logo logo esse daí roda que nem o tal “Galileu” (#foitarde).
      às vezes é até engraçado ver os relatos escritos por ele com tamanho afinco, mas invariavelmente contém o mesmo texto. Realmente já encheu o saco. No mais, tenho dó, o cara não deve ter amigos, mulher etc… Abs.

      • enko disse:

        danilo, não achava o galileu tão ruim assim, dava risada com os cometários dele, tinha um humor sarcástico e acido.
        assim como no nelsom piquet, ele escrevia o que lhe dava na telha, e acabou num post brigando feio com o flavio.
        nunca o vi ofender pessoas que não merecessem um cutucão.

  37. Glauber disse:

    Schumacher é um dos melhores que já passou na F-1, sem dúvida alguma. Mas se gabar de ganhar do Ayrton aqui, tendo uma Benetton muito fora do regulamento e o Ayrton com aquela Williams que era um lixo é dose.

    • José Rubens Cardoso disse:

      VIUVA CHOROSA DETECTED>>>>>>>>>>>>>>>>>>

    • Burrinho Batiquebra disse:

      Sem noção é falar que a Williams era um lixo. Este carro lixo era o atual campeão do mundo e fez 3 poles em 3 provas, sendo que permitiu que o limitado Damon Hill perdesse o campeonato apenas na última prova de 1994.

      Lixo era Minardi, Larousse, Simtek dentre outras.

      Pacheco é foda!

      • Murillo disse:

        O Carro não era um lixo, tinha um bom motor, mas tinha problemas, tanto é que a Williams teve que lançar o segundo carro naquele ano o FW16B, aí sim a Williams ficou mais rapida que a Benneton.

      • Nelson disse:

        Tinha realmente um grande problema:tri campeão desgovernado.Porque esqueceram de avisar para o shummy deixar ele ganhar.Já não existia mais o favorecimento da honda,já não tinha alguem para acertar o carro para ele.Era uma serie de problemas

      • Lucas disse:

        Nossa, fico boquiaberto com o nível de desinformação por aqui. Quem era o “atual campeão do mundo” era a Williams de 93. Dizer que a Williams de 94 era “o atual campeão do mundo” é a mesma coisa que dizer o mesmo da Mercedes de 2010. A Williams só tinha aquela superioridade absurda nos anos anteriores porque conseguiu, mais que qualquer outra equipe, utilizar com perfeição as tecnologias de controle de tração e suspensão ativa. Ao fim de 93 todas as ajudas eletrônicas e a suspensão ativa foram banidas, o que significa que a superioridade da Williams foi pro espaço. “Ah, mas o carro fez três poles em três provas”. E qual a surpresa nisso? Tirando a Toleman de 84, em que o melhor que o Senna conseguiu foi uma largada em terceiro, o Senna fez poles em *todos* os carros em que correu, enquanto o Schumacher só fez sua primeira pole da carreira justamente na primeira corrida após a morte do Senna. Se em 85 Senna fez seis poles com apenas o quarto melhor carro da temporada, não vejo qual é a surpresa em vê-lo fazer três poles em três corridas com um carro que só estava atrás da Benetton, que corria com um piloto que nunca foi espetacular em treinos (vale lembrar que mesmo quando corria com carros muitíssimos superiores aos da concorrência e segundos pilotos fracos, como em 2002 e 2004, a taxa de poles de Schumacher foi bem menor que, por exemplo, Senna em 88-89 tendo como companheiro de equipe um dos melhores pilotos da história).

  38. Eds disse:

    O alemao em 94 nao era pra ser campeao, era pra ter sido desclassificado depois daquela vergonhosa fechada no Hill. Achava ele meio Dick Vigarista. Hj acho q nao é mais. Mas pra mim usou em quase toda sua carreira meios nao limpos pra vencer fora das pistas. O Rubinho que nos diga. A ferrari e meio suja tbem nao confio mto na ferrari entao uniu-se o sujo com a mal lavado e ele foi vencedor. Nao o vejo como um piloto modelo pra ser venerado, claro q ele e otimo piloto mas é so isso.

    • Fernando Cruz disse:

      Por essa ordem de ideias Ayrton Senna também devia ter sido desclassificado do campeonato de 1990 depois de bater no Prost na primeira curva de Suzuka. É que se a FIA (com Balestre) prejudicou o brasileiro ao mudar o lugar da Pole, prejudicou muito mais Schumacher em 1994 (com Mosley) com suspensões e desclassificações ao alemão que alteraram a verdade desportiva do campeonato. O toque em Hill em Adelaide foi a forma do alemão escrever direito por linhas tortas, tal como fez o Ayrton em Suzuka em 1990. Num caso como no outro a FIA tinha a consciência tão pesada que deixou Senna (em 90) e Schumacher (em 94) sem qualquer punição.

      • Renato F1 disse:

        Toma lá, dá cá! Em 1989, Prost deixou o carro ir reto na última prova do campeonato! Todos os pilotos que analisaram a situação (velocidade e traçado) viram que era impossível ele fazer aquela curva!

        Então, se desclassificarem Senna em 1990, devem fazer o mesmo com Prost em 1989!

      • Fernando Cruz disse:

        Nem Prost em 89, nem Senna em 90, nem Schumacher em 94. O único que merecia desclassificação foi o Schumacher em 97, não tanto (ou não apenas) por ser reincidente, mas sobretudo porque toda a gente viu um segundo movimento do volante, intencional, para bater no carro do seu adversário. Digamos que foi demasiado evidente. Em 94 e 90 a FIA teve muita culpa no que aconteceu e em 89 a manobra do Prost foi subtil, embora desonesta, a meu ver. Mas pode ser considerado um incidente de corrida…

      • Lucas disse:

        O que pouca gente esquece é que as batidas de 89 e 90 não mudaram o campeonato em absolutamente nada. Se Prost não tivesse batido em Senna em 89, ainda assim o Senna não teria sido campeão. Da mesma forma, se o Senna não tivesse batido no Prost em 90, o Prost também não teria sido campeão. Já em 1994, Schumacher tinha acabado de destruir seu carro (por culpa única e exclusivamente sua, pois errou a tomada de uma curva e foi pro muro), o que significa que, se não tivesse voltado para a pista com o carro aos pedaços só para acertar o Hill, quem teria sido campeão seria o Hill, e não ele. Logo, as batidas de 89 e 90 podem até ser tão execráveis quanto a de 94 (essa história de que Senna “se vingou” não é desculpa pra mim e não tira a culpa dele), só a de 94 realmente mudou o resultado do campeonato, e o fato da FIA não ter agido foi vergonhoso.

      • Fernando Cruz disse:

        Está certo, em 89 e 90 o resultado final teria sido, provavelmente, o mesmo. Em 94 Schumacher foi campeão ao acertar no Hill. Mas então e o que aconteceu antes??? Quem teria sido campeão em 94 sem as penalizações e suspensões da FIA ao alemão? Duas corridas de suspensão por ter ultrapassado Hill na volta de formação? Alguma vez alguém tinha sido antes penalizado por esse motivo? É certo que a Benetton não respeitou a bandeira negra (mal mostrada) em Silverstone, mas a culpa foi do piloto? E a desclassificação em Spa, por motivos técnicos dúbios?

        Peço desculpa, mas os campeonatos devem ser decididos na pista e não na secretaria. O facto de Ayrton Senna já lá não estar e o campeonato ter caído nos braços do alemão não dava à FIA o direito de interferir da forma que o fez. Para mim a verdade desportiva deve estar acima de tudo.

      • Lucas disse:

        Sua argumentação estaria ok, não fosse o fato de que Schumacher correu aquela temporada com um carro ilegal. A coisa só foi “pra secretaria” porque a FIA não fez o que deveria ter feito: banir a Benetton do campeonato de 94 (por muito menos baniram a Tyrrel dez anos antes).

    • enko disse:

      a dupla briatore/schumacher, foi mais danosa que a dupla briatore/ alonso, na ânsia de vencer burlaram o regulamento descaradamente em 93/94.

  39. Max Ronald disse:

    Fala sério, o Senna com uma Willians arisca até nas retas e o Schumacher com uma Benetton nitidamente o melhor carro do ano… (dizem que o monoposto burlava o regulamento). Queria ver os dois numa mesma equipe como era Senna e Prost, aí sim, pode-se encher o peito e dizer que ganhou na “moral”!

  40. Rodrigo disse:

    Tô até vendo: a grande maioria dos que preferem Senna, vão detonar o Schumacher. Por sua vez, os fãs de Michael, vão descer o porrete no Senna e usar termos como “pachecada” para mencionar os que preferem o brasileiro.

    Sobre a entrevista em si: bem bacana, mesmo. Sobre a França/1992, eu imaginei tudo, menos que a conversa fosse sobre isso. A imagem não deixa de ser emblemática.

  41. Rodrigo disse:

    Deveriam ter perguntado ao alemão a atisfação de ter ganho no Brasil em 1994 com um carro fora do regulamento….

    • Lucas disse:

      E depois de ter “ultrapassado” Senna nos boxes graças ao pit stop relâmpago da Benetton devido à bomba de combustível ilegal…

      • Fernando Cruz disse:

        Um piloto quer sempre ganhar e não deve ser responsabilizado por erros ou infrações técnicas da sua própria equipa. Parece-me evidente que Senna foi uma vítima dos jogos políticos da FIA e isso contribuiu até para o desenlace fatal. Mas Schumacher foi também ele vítima na segunda metade da temporada e isso muita gente não fala. Eu nem quero imaginar como Ayrton Senna teria reagido se lhe tivessem roubado tantos pontos como roubaram ao alemão na segunda metade de 1994. Calado é que não ficava, de certeza, tal como não ficou calado quando foi vítima de injustiças às mãos de Balestre.

        Mais uma coisa: se Ayrton não tivesse morrido e a FIA tirasse tantos pontos ao alemão como tirou sendo o Hill o seu único adversário, ele (Ayrton) seria facilmente campeão, pois até o mediano Damon Hill terminou a 1 ponto de Schumacher. Mas será que o nosso Ayrton iria sentir grande satisfação num título alcançado na secretaria e não na pista?

      • Lucas disse:

        Fernando, Schumacher não foi “roubado” em 94. O que aconteceu foi simplesmente que a FIA resolveu inovar e, ao invés de banir um carro ilegal, escolheu dar um “handicap” ao campeonato, como se fosse justo deixar um piloto competir com um carro ilegal só aplicando algumas punições a ele.

      • Fernando Cruz disse:

        Mas como iria a FIA banir um carro ilegal se foi a própria FIA que o deixou correr ilegal desde o início, com receio que o campeonato de 1994 fosse mais um passeio da Williams? Ayrton Senna bem avisou mas a FIA não quis saber, nem sequer investigou nada de forma séria… Só depois de Imola, quando ficou claro que sem Senna o campeonato não iria ter qualquer interesse, é que a FIA resolveu agir (usando falsos pretextos), mas claro que nunca iriam banir a Benetton do campeonato, primeiro porque tinham a consciência pesada e depois porque isso seria o descrédito total para a F1. Uma coisa foi banir a Tyrrell, uma equipa pequena que esteve muito longe de lutar pelo campeonato, outra bem diferente seria banir uma equipa que lutou pelo título.

      • Lucas disse:

        Pois é, Fernando, eu vi suas mensagens sobre essa questão e entendo seu ponto de vista. A minha opinião é a seguinte: a fórmula 1 já é um esporte suficientemente “injusto” para quem o assiste devido aos pilotos e não às equipes. Quem leva o esporte à sério sabe que os resultados não são só do piloto, mas do conjunto piloto+carro, o que leva a algumas distorções. Quem não se sentiu frustrado ao acompanhar a temporada de 92 e ver como um piloto mediano como Patrese era capaz de superar, com facilidade quase cômica, pilotos do naipe de Senna e Schumacher? Ou ver um Felipe Massa comumente andando na frente de um Alonso na segunda metade de 2006, sabendo que se os dois estivessem no mesmo carro, Massa certamente seria massacrado por Alonso (como de fato tem sido nos últimos dois anos)? Pois então, a minha opinião é que o esporte já é suficientemente “injusto” (nesse sentido) para que ainda por cima carros fora do regulamento não sejam punidos (por mais que os pilotos não tenham culpa disso), pois isso faz com que até a idéia de que os resultados vêm do conjunto carro+piloto deixem de ser válidos.

  42. Esse vídeo tá no site do instituto faz uns 3 meses já…

    Interessante a entrevista do Schumacher, pois vemos o quanto ele admirava e admira o Senna. Ele mesmo reconhece que Senna foi o melhor piloto da história.

    Com Senna vivo, acho que Senna x Schumacher seria um duelo muito equilibrado, em que ambos dividiriam os títulos da segunda parte da década de 1990… Hakkinen talvez ganhasse um, apenas, e Hill e Villeneuve não seriam campeões… Acho que Senna pararia no penta ou quem sabe até com um hexa pela Ferrari, pois ainda era o melhor quando morreu. Guiaria em alto nível até o fim da carreira, cujo último ano seria ali por 1998 ou 1999.

  43. Carlos Tavares disse:

    É um privilégio ainda estarmos na expectativa do início de mais uma temporada com Schumacher no grid. Aproveitem.

      • Marcelo disse:

        Amigos, gostaria de ver o Schummi da Benneton e da Ferrari pilotando…
        o problema é que a Mercedes contratou o Schummi da Jordan rsrsrsrsrs… brincadeirinha amigos, sei que o cara tem 43 anos etc… mas que tá abaixo dos demais está…

    • enko disse:

      tomando pau do,rosberguinho.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    • Fernando Cruz disse:

      Schumacher aos 42/43 anos já não pode ser o mesmo que foi no seu auge. Tal como o Senna também não é o mesmo do passado. Além de ser Bruno e não Ayrton, tem o handicap, relativamente ao tio, de um hiato de uma década sem competir, um handicap ainda agravado por uma série de infortúnios nos últimos anos. Mas não duvido que com carro idêntico este Senna ainda pode derrotar o Schumacher atual. Por isso era bom que o Williams de 2012 fosse um bom carro, pelo menos ao nível do Mercedes…

  44. fabio moyses disse:

    ganhar ganhou…. mas que aquele reabastecimento “maroto” da Benneton deu uma ajudassa isso deu!!

  45. Sidinei Gadelha disse:

    Bacana. Só achei que as perguntas falam mais sobre o impacto da existência do Senna na carreira do Schumacher do que sobre o Senna propriamente dito. Acho que seriam perguntas melhores pra um documentário sobre o próprio Schumacher, sei lá.

  46. William disse:

    Mais uma qualidade do Schummi que vai enlouquecer as viúvas do Senna: a humildade demonstrada nessa entrevista. Humildade aliás que nunca foi o forte de Senna.

  47. Zé de Leppelin disse:

    Um gigante falando de outro.
    Pouco importa quem era melhor.
    Nunca saberemos, pois a diferença entre os carros e a morte de Ayrton deixou eterna dúvida.
    Queria mesmo era ter visto os dois na MESMA equipe, de preferência a Ferrari.
    Aí sim o pau ia quebrar…

    • Renato F1 disse:

      Quebrar o pau??? Na Se Ferrari??? Desde quando aquela “equipe” de fachada deixa dois pilotos dela competirem pelo mesmo campeonato??? Só nos seus sonhos!!! No mínimo ela escolheria um dois dois, faria um baita carro e o que restar daria ao outro!

      • Burrinho Batiquebra disse:

        Sim, todos sabemos que o Rubinho não foi hepta campeão justamente por causa disso (o carro dele era só o que restava no desmanche da FIAT).

        Continue nos ensinando.

      • Nelson disse:

        concordo com voce.RRUUBBENNSS é ótimo.Por isso é que foi sempre segundo em todas vitorias do shummy,foi vice campeão em todos os anos,fazia tempos no mesmo milésimo,era FANTÁSTICO.Nos SONHOS,quando acordava,via que era segundinho mesmo mas em chororo sempre será o PRIMEIRÃO.Nem na brawn ele conseguiu ganhar de um button desacreditado.Agora falar em rubinho hepta,gostaria de saber aonde vende este chá de cogumelos,pois é o mais forte que já ouvi falar rsrsrsrsrsrsr

      • enko disse:

        voce não precisa de chá, já é aloprado por natureza

  48. André Almeida disse:

    Usar de razão com viúvas é difícil… Senna perdeu pra Schumacher em 1994.

    Só não enxerga quem é cego.

    • Fernando Cruz disse:

      Senna só participou em 3 corridas, precisamente na fase em que os Williams ainda apresentavam problemas de equilíbrio. Em Interlagos era evidente a superioridade do Benetton, tanto assim é que o Hill terminou a uma volta de Schumacher.

      Quem ganharia no fim (sem interferências da FIA) ninguém sabe, por isso é abusivo dizer que Schumacher derrotou Senna em 1994, tal como é abusivo dizer-se que Senna iria derrotar Schumacher se não tivesse morrido em Imola.

      • ccregazzoni disse:

        Senna morreu, portanto, não participou do restante do campeonato, portanto, perdeu.

      • Fernando Cruz disse:

        Sim, perdeu no momento em que perdeu a vida. Mas não se pode dizer que foi derrotado por Schumacher, pois só fez 3 provas.

      • Joel Teixeira disse:

        Perdeu fofito, per….deuuuuuu !

      • Fernando Cruz disse:

        Perdeu em Interlagos, onde o Benetton foi superior, tanto que o Hill terminou a uma volta do alemão. Foi este o único verdadeiro confronto entre os dois em 1994. Em Aida o Hakkinen errou e eliminou o Senna, em Imola o despiste aconteceu por falha técnica.

        Talvez Schumacher tivesse ganho nesse ano mesmo que Senna não tivesse morrido, mas isso é outra história e nunca o saberemos.

      • Nelson disse:

        perdeu varias em 92.E o cara so estava no primeiro ano completo dele,o resto é devaneio.

      • Fernando Cruz disse:

        Pois, mas a generalidade dos observadores internacionais considera que Senna foi o melhor. Acho que pilotos de F1, chefes de equipa e jornalistas devem saber alguma coisa do assunto…

        Na verdade eles (Senna e Schumacher) são pilotos do mesmo nível e não devemos desvalorizar um ou o outro. Eles estarão sempre entre os melhores da história da F1, digam o que disserem os detratores de um ou de outro…

      • João disse:

        Eu não sou nenhuma viúva do Senna, mas essa discussão é bastante besta. Poder-se-ia argumentar que o Schumacher também levou um pau do Senna em 93, mesmo tendo um carro semelhante e com um motor superior (o motor Ford do Schmmi era mais potente que o do Senna, uma outra versão). Em 94, não podemos julgar 3 corridas, nas condições que o Fernando apontou. Os dois pilotos foram gênios, cada qual à sua maneira. Não existe certo e errado, cada um tem a sua preferência. Respeitem a preferência dos outros, seja ela qual for. Abs

    • enko disse:

      e burrinho teimoso também.

    • enko disse:

      quer o endereço de uma ótica andré almeida?

    • Marcelo disse:

      André,

      Como é que ele venceu alguém que não estava mais competindo?

    • Marcelo disse:

      André, Fernando, Cassius Clay, Enko, Joel e Marcelo Xará:
      Por mais que eu goste do Senna (ele morreu quando tinha 18 anos então ele foi, junto com os jogadores do São Paulo e Inter de Limeira-campeã paulista de 1986 rsrsrsrs- meus ídolos) eu entendo também que o Schummi pilotou muito em 1994, afinal com a morte do Senna, tirando as 3 ou 4 provas que o Mansell pilotou, não havia nenhum piloto campeão mundial no grid e o alemão sobrou.
      O fato é – Senna tomou 2 a 0 do Schummi e morreu na terceira, ok. Portanto realmente ele perdeu. Mas esquecemos o seguinte:
      - A Benneton não estava usando aquele filtro no bocal de saída de combustível nos pits. Logo Schummi fez seus pits de 1 a 2 segundos mais rápido que Senna. Tal irregularidade foi detectada na fase européia e a Benneton/Schummi foi punida em 3 corridas (filtro do bocal, prancha no assoalho e outra coisa que o Schummi fez errado que não me lembro agora);
      - Disseram que a Benneton tinha controle de tração, o que também era diferencial em relação à Williams;
      - Senna ERROU no Brasil. Ele tava tirando de 1 a 1,5 segundos por volta do Schummi depois do 2º pit-stop e faltavam em torno de 10 voltas para terminar a corrida. A diferença estava em torno de 6 segundos quando o Senna rodou e na volta anterior ele tinha tirado 2 segundos. O problema é que o Senna “forçou o carro” e acabou rodando. Acredito que mas 5 voltas ele poderia estar perto do Schummi (volto a dizer, poderia)…
      - Schummi ganhou o título do Hill por apenas 1 ponto. Por mais que o Hill era ruim perante ao Schummi, a Williams era um canhão com o motor Renault em relação ao Ford da Benneton. Daí alguns acham que o Senna poderia ter ganho em 1994 porque, via de regra, era melhor que o Hill, 1º piloto etc… logo esta diferença de 1 ponto poderia ser favorável ao Senna. Não sei amigos se com o Senna seria diferente, mas pelo fato do Hill e do Mansell ter ganho algumas provas, poderia ser possível..
      Desculpe por ter escrito muito, estou dando uma do meu Xará mala sem alça que tanto critico. Não quero polemizar, mas como os amigos sempre escrevem, preferi passar minha opinião.
      Sou viúva do Senna sim, o cara foi meu grande ídolo da minha adolescência, para mim foi o melhor piloto do mundo, mas contra números não há argumentos. E o alemão foi o melhor neste quesito. Como amante de F1 graças às corridas que vi do Senna sei reconhecer e não sou pacheco que o Galvão Bueno lavou a mente rsrsrsrsrs….
      Abraços aos amigos e vamos continuar “discutindo” no maior e melhor nível possível…

      • enko disse:

        valeu marcelo azul, (pelas cores do seu avatar), muito boa sua resposta.
        se ele era seu ídolo, imagine eu que o conheci quando ele corria de kart

      • Fernando Cruz disse:

        Schumacher foi penalizado por uma questão inverosímil, não foi por uma ilegalidade no carro. Só a questão do filtro foi provada, segundo a FIA, e o alemão foi penalizado apenas para dar interesse ao campeonato (e isto a FIA logicamente não reconheceu). Com Senna vivo Schumacher não seria penalizado, tenho quase a certeza disso, portanto o fato de Hill ter terminado a 1 ponto de Schumacher é muito enganador, pois terminaria a mais de 30 sem as interferências da FIA. Por isso acho que seria difícil o Ayrton chegar ao título nesse ano mesmo que não tivesse morrido em Imola.

        Pois, eu também sou grande fã de Senna, senti-me órfão (não viúva, acho esse termo desrespeitoso) quando ele morreu, mas prezo acima de tudo a verdade desportiva, defendo os pilotos no geral e reconheço o Schumacher como um dos maiores da história, a par do Senna, Fangio e Clark.

      • Marcelo disse:

        Fernando, concordo contigo, por isso que falei que talvez o Senna poderia, aliás é complicado prever coisas que estão na mente de cada um (SE, Talvez etc.) e como escrevi o Schummi pilotou pra caramba em 1994.
        Escrevi errado que sou viúva (usei o termo que alguns escrevem nos posts) sou orfão tb (obrigado pela palavra correta) pois viúva ficou a Xuxa e a Galisteu rsrsrsrs..
        Por mais que o Rubinho e o Massa deram alegrias em suas vitórias (e o Massa com a chance de título em 2008) eu, com 22 GPs Brasil em Interlagos, não tive uma alegria melhor do que as vitórias do Senna em 91 e 93 (fui da turma que invadiu a pista no G)…
        Abraços,

      • Fernando Cruz disse:

        Pois, eu também não tive alegria melhor (como adepto de F1) que ter assistido ao vivo à sua primeira vitória, naquele autêntico dilúvio aqui no Estoril.

        Abraço

      • Lucas disse:

        Na verdade não foi só o filtro que foi comprovado – a ilegalidade no software de controle do motor (ECU) também foi – isto é, a Benetton corria tinha ajudas eletrônicas, o que era claramente proibido pelo regulamento.

      • Marcelo disse:

        É isso aí Xará Azul!

        Cara, ainda hoje para todo garoto que ingressa em uma categoria escola ( kart, por exemplo ) o Senna ainda é referência técnica para formação de um piloto. Técnica no sentido prático da pilotagem e ainda mais para as noções mecânicas. Tinha um menino, o Gustavo Fraguas, lá no fim dos anos 90, que tinha um hábito que o Ayrton também tinha que era de acompanhar a montagem do kart, enquanto o carrinho não tava no chão ele não saia de perto. Fiquei sabendo que ele leu isso num relato sobre os hábitos que o Senna tinha e achou essa “vigilância” muito importante. E conheço outros pilotos brasileiros que adotaram alguns costumes do Ayrton para melhorarem como profissionais.

      • enko disse:

        marcelo 3 “T” (três traços), se o senna não tivesse morrido, hoje a carreira do danilo dirani seria outra, junto com a do bruno,,fatalmente eles estariam na f1.
        o danilo tinha a liberdade de ir treinar na fazenda a hora que quisesse, era só falar com seu miltom.

      • Marcelo disse:

        Enko, bem falado. A família Dirani teve prejuízos com a morte do Senna mesmo.
        Tomo até a liberdade de dizer que o Barrica e o Christian Fittipaldi também sofreram com a pressão na F1. Tanto é que o Christian não aguentou e foi pra Indy…
        Vou até além (agora vou causar polêmica vixi…) – se o Senna não tivesse morrido, o Barrica tinha sido campeão na F1…

      • Alberto disse:

        O testes de setembro de 1993 já previam um grande crescimenot das Benetton, uma grande queda da Williams, dita até pelo Prost, o que este carro perdeu com a suspensão ativa…chega a assustar, além disto o regulamento de 1994 era muito hostil aos V8, mesmo tendo atingido 750 Hps, contra 800 dos Renault, por que a grande arma deles mesmos sendo menos potente (além de serem curtos e leves e exigirem menos refrigeração) era o consumo de combustível, como em 1994 foi permitido o reabastecimento os Renault iam pra corrida com 15 litros a mais que o Ford, além de um tanque bem menor, antes pelo regulamento de 1993 eles tinham que carregar 30 litros a mais, a Williams tinham tanques enormes de 230 litros. Quanto ao fato do Schumy vencer 1994 por apenas 1 ponto, o que ocorreu é que ele foi violentamente perseguido pela FIA, foi desclassificado de uma prova, com a bandeira preta, na minha opinião justa a punição, depois desclassificado por causa do assoalho, na minha opinião injusta porque ele saiu da pista e modificou o assoalho e foi proibido de correr em outras 2 provas por causa da bandeira preta, ou seja, o Schumy correu só 12 corridas e o Hill correu 16. A FIA estava uma fera com o Schumacher porque havia sim um controle de tração, aliás confessado até pelo Max Mosley se eu não me engano em 2001. Por muito pouco a Benetton não foi expulsa da F1, é que nem futebol, quando um juiz expulsa um jogador de um time ou dá um pênalti, qualquer coisa que o outro time fizer é assinalado, é a lei da compensação. O Briatore é um canalha, ele adora burlar regulamentos. Eu tenho um amigo, muito amigo do Piquet, que certa vez perguntou para o Piquet se o Schumy tinha ou não controle de tração e o Piquet com o seu alto conhecimento mecânico disse que sim ….ele disse que a vantagem do controle de tração é no acerto do carro, que fica bem mais rápido, no desgaste de pneus traseiros e em pistas com com muito arranca e pare.

      • Jesse disse:

        É muito fácil descobrir se o carro tem controle de tração, ele não patina nas arrancadas e o barulho do motor é bem característico, o Benetton do Schumy tinha isto eu sou piloto e posso garantir…e tinha mais carro com esta irregularidade.

  49. ZÉ BEDEU disse:

    Além do abastecimento, como se provou mais tarde e a FIA abafou o “causo” inventando uma punição ridícula ao final do campeonato para compensar, o alemão estava com controle de tração e de de largada embutidos no softwere… Igual flamenguista, se vangloria de ganhar roubado!

    • Fernando Cruz disse:

      A culpa da suposta (e parcialmente provada) ilegalidade do Benetton não foi do alemão mas sim da própria FIA. Com Senna na Williams a FIA fechou os olhos a supostas ilegalidades do Benetton (para evitar domínio total da Williams, como nos anos anteriores) e só depois de Imola a FIA resolveu agir, por forma a criar artificialmente um campeonato que sem Senna estava completamente morto, tal a superioridade de Schumacher sobre Hill.

      Das duas uma: ou a FIA atuava de início, não deixando a Benetton incorrer em ilegalidades, ou deveria deixar decorrer o campeonato sem mais interferências, como fez em 2009 com a Brawn. Também neste caso a FIA fez vista grossa à ilegalidade do Brawn na questão dos difusores, mas pelo menos deixou o campeonato decorrer sem mais interferências, não penalizou o Button, não tirou com uma mão aquilo que dera com a outra, tal como fez com a Benetton e Schumacher em 1994.

      • Renato F1 disse:

        A FIA, penalizar o Button em 2009, sendo ele um piloto inglês numa equipe inglesa??? Nem nos melhores sonhos!!!

      • Fernando Cruz disse:

        Pois claro que não. É isso que eu digo, a FIA nunca devia ter interferido no campeonato de 1994. Schumacher teria sido campeão com algumas provas de antecedência, com todo o mérito, ganharia com cerca de 30 ou 40 pontos de vantagem sobre o Hill… Tal como o Button também teve mérito no seu título de 2009, apesar de ter sido favorecido pela FIA, antes do campeonato começar, na questão dos difusores.

      • enko disse:

        seria campeão sim, mas fora do regulamento
        retirar filtro, manter sofware dentro do carro e dizer que estava inativo?
        isso parece a historia do cara que bateu na mulher e ela foi se queixar ao pai que lhe deu outra surra dizendo, jpa que ele bate na minha filha, me vingo do gajo batendo na mulher dele.

      • Lucas disse:

        Há uma diferença abissal entre os dois casos. O que deu a vantagem ao Button em 2009 foi um ponto em que havia discussão (a regra estava mal escrita, o Brawn fez o difusor se aproveitando disso, e deu no que deu). O que é completamente diferente de 94, em que o que ocorreu foi simplesmente usar algo que estava claramente proibido, com todas as letras. A Brawn em 2009 aproveitou uma brecha do regulamento. A Benetton de 94 simplesmente fez um carro fora do regulamento (além da questão da bomba de combustível). Não dá pra comparar. É um caso em que a equipe deveria simplesmente ser punida e pronto (como aconteceu com a Tyrrel em 84).

      • Fernando Cruz disse:

        Essa diferença que diz ser abissal é para mim completamente irrelevante, pois a FIA não se interessou em controlar o que fazia a Benetton enquanto o Senna foi vivo. Só depois. Depois, com o campeonato a decorrer, é errado, é sempre mau. Detesto quando as coisas são decididas na secretaria e mais ainda quando inventam pretextos para penalizar, neste caso apenas pelo “interesse” de manter vivo um campeonato de forma artificial e lesando gravemente a moral desportiva.

        Isso também aconteceu em 1982 (neste caso numa só corrida), quando tiraram uma da melhores vitórias do Piquet, no Brasil em 82, apenas por questões técnicas mal explicadas, tudo por causa de uma guerra entre a FISA e a FOCA. Os pilotos não mereciam, nem Piquet, nem Rosberg (segundo na pista), que fizeram ambos uma excelente corrida.

        Isso aconteceu em 1984 com a Tyrrell. Os pilotos não mereciam (Stefan Bellof e Martin Brundle), foram fantásticos e de repente ficam sem os pontos conquistados de forma brilhante e árdua. Isso é lesar gravemente o desporto, a F1 é demasiado exigente e até perigosa para que a FIA se dê ao luxo de agir dessa forma, à posteriori. Os carros devem ser controlados antes e quanto muito, se descoberta alguma ilegalidade depois de uma corrida ou no decorrer de um campeonato, deviam tirar os pontos à equipa e nunca aos pilotos, pois estes não tiveram culpa e até arriscaram a vida.

        Em 1989 a mesma coisa, inventaram um pretexto para desclassificar Senna quando ele ganhou no Japão em 89, por um motivo pelo qual outros pilotos não tinham sido sequer penalizados por terem feito o mesmo nessa corrida (cortar a última chicane pela escapatória).

      • Fernando Cruz disse:

        Já agora, convém lembrar que em 2009 a Red Bull tinha uma solução com difusor idêntica à da Brawn e que a FIA recusou! Mas aceitou o mesmo à Brawn por razões políticas, o que mostra o quanto os campeonatos são manipulados conforme os interesses mesquinhos de alguns. Portanto, é completamente irrelevante que a Brawn em 2009 tenha aproveitado uma brecha do regulamento, enquanto a Benetton em 1994 usou algo que estava completamente proibido. Num caso como no outro foi tudo cozinhado pela FIA e as equipas foram as menos culpadas. Os pilotos ainda menos culpados são, mas infelizmente são eles que mais sofrem por vezes com as manobras dos decisores políticos, sempre em prejuízo da verdade desportiva.

      • Lucas disse:

        Olha, por mais que eu admire Nelson Piquet, não acho que ele e o Rosberg merecessem aquela vitória. Que eu lembro o que aconteceu era o seguinte: eles tinham um tanque de água (de acordo com eles “pra esfriar os freios”), que podia ser esvaziado durante a corrida, permitindo que eles corressem abaixo do peso. Basta lembrar do tempo em que havia re-abastecimento para ver o quanto fazia diferença correr com menos peso, e, portanto, estavam certos em desclassificar os dois pilotos. Pelo seguinte princípio – sem essa ilegalidade, eles certamente não teriam feito aquela dobradinha (assim como, num carro sem ajudas eletrônicas e com pit stops em tempo normal, Schumacher dificilmente seria um postulante ao título de 94, basta ver o impacto que a retirada das ajudas eletrônicas causou na Williams).

    • ccregazzoni disse:

      E ninguém cala esse chororô….

  50. Henrique disse:

    Ganhar , ganhar não ganhou, levou o primeiro lugar, pois enquanto Senna estava na pista em Interlagos antes do Pit , o alemão não chegou nem a ameaçar a posição, após o pit em que a Benetton não usou filtro de combustivel , para fluir melhor e ganhar tempo no reabastecimento e fez uma parada mais rápida e saiu na frente.Após isso o Senna só diminuia a vantagem até rodar…. Portanto batalha , batalha não aconteceu. O ano de 93 é um bom exemplo para o embate dos 2 onde de moteres de mesma marca mas especificações diferentes favorecendo o alemão (spec7x spec6) houveram confrontos, e Senna levou.Portanto ganhar a corrida para mim no exemplo citado, não demonstrou exatamente ganhar um confronto, que acabou não ocorrendo… Mas o alemão deve ser respeitado sem dúvida!

    • Rodrigo Assis disse:

      Concordo com você. Ano que o Sr. Flávio Briarato usou de todas as sujeiras possiveis para ganhar.Que não tira o mérito do Shumi.

    • Cassius Clay Regazzoni disse:

      TAS mode ON…

    • Paulo Renato - Guareí/SP disse:

      Assino embaixo do que o Henrique postou.

      Schumacher é especial, está entre os cinco melhores para mim. Pela ordem: Senna, Prost, Piquet, Lauda e Schumacher.

      Bacanas as respostas!

    • Mellotron disse:

      É, mas em 92 Senna tinha Honda e o alemão levou mesmo assim. Empate técnico.

      • Daniel N disse:

        Mas Shummacher era “novato” ainda. Então não vale TANTO a comparação.
        Em 94 +/-, Senna não completou corridas.

      • Lucas disse:

        Levou só pela confiabilidade muitíssimo superior da Benetton em relação à McLaren em 92. Corrida à corrida, o que se via é que o Schumacher quase nunca estava realmente à frente do Senna (tanto é que o Senna foi o único a realmente conseguir bater de frente com as Williams, enquanto a única corrida que Schumacher venceu contra elas foi naquela em que os escapamentos das duas Williams explodiram e o Schumacher “herdou” a vitória). Schumacher só terminou com esses três pontos a mais que Senna graças à confiabilidade da Benetton – Senna teve nada menos que cinco abandonos por falha mecânica, Schumacher só um.

      • Nelson disse:

        Pois é.Um dos recordes do melhor foi o maior numero de corridas sem quebrar,maior numeros de podios seguidos,maior numero de vitorias seguidas,maior numero de vitorias em um ano,maior em tantas coisas,evidentemente porque ele era pior!!!!!!!!!!!!!!

      • Lucas disse:

        Esse recorde se deve ao Rory Byrne, não ao Schumacher. Lembre-se que a Ferrari de 96, que não foi feita pelo Byrne, quebrou nada menos que seis veses na mão do Schumacher, o que joga sua teoria por terra.

    • Fernando Cruz disse:

      O facto de ter passado Senna nas boxes graças a uma ilegalidade não tira o mérito do alemão, que fez também uma excelente corrida e já estava em cima do Senna antes das primeiras paragens na box. Ilegalidade ou não, qual o interesse em ver ultrapassagens nas boxes e não na pista?

      Enfim, essa (GP do Brasil de 1994) foi a primeira prova da era dos reabastecimentos e o resultado foi triste. Perda do Ayrton logo na terceira corrida e 16 anos de ultrapassagens artificiais, na box e não na pista. Mas agora acabaram os reabastecimentos e no entanto a farsa continua. Muitas corridas continuam a ser decididas nas boxes (agora por causa dos pneus super-degradáveis que obrigam a várias paragens) e ainda inventaram o KERS e o DRS para aumentar o artificialismo. Seria preferível cortar mais na aerodinâmica e aumentar a aderência mecânica, com pneus que aguentassem a corrida toda sem necessidade de serem trocados!

      • enko disse:

        a quanto tempo eu falo isso, menos aerodinâmica, melhores pneus, nada de eletrônica, mudanças de marcha na alavanca com pedal de embreagem.

      • Fernando Cruz disse:

        Mas não adianta falarmos. Mesmo que a FIA quisesse mudar as coisas (para melhor) as equipas não o permitiriam, pois olham acima de tudo para os seus interesses imediatos e esquecem o interesse geral, ou então têm uma visão distorcida do que é o interesse geral. Caso a FIA queira fazer alguma coisa no sentido de cortar mais na aerodinâmica e aumentar a aderência mecânica, as equipas (sobretudo as grandes) fazem chantagem, ameaçam criar um campeonato paralelo. Assim, é do interesse de Ecclestone e da FIA que as coisas continuem como estão.

        A eletrónica torna-se assim quase um mal necessário, pois com a aerodinâmica a ter uma influência tão grande na performance de um monolugar (talvez 90 ou 95%?) dispositivos como o DRS sempre ajudam a criar mais alguma “emoção”, nem que seja de forma artificial. Quanto ao KERS, há razões ecológicas e compreensíveis para que exista na F1, mas não deixa de ser igualmente um dispositivo que ajuda a aumentar a artificialidade do espetáculo e portanto nefasto para o desporto. Hamilton é talvez o piloto mais prejudicado por este estado de coisas, pois era o piloto que mais fazia a diferença nas ultrapassagens (viu-se isso em 2010, sem KERS e sem DRS foi de longe o piloto que mais ultrapassou).

        Mas talvez o mais triste é que até os pilotos (e parte dos adeptos) estão acomodados com o atual estado de coisas e mesmo o Hamilton parece não ver nada de mal nestas corridas de 3, 4 ou 5 paragens na box e ultrapassagens já não tanto no braço mas sim artificiais.

      • Burn baby Burn.. disse:

        Se perguntar para um piloto novato da f1 master system de hoje o que é “punta taco”, com certeza ele irá responder que é relativo a aulas de sapateado.. embreagem nem no carro particular deles..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>