MENU

terça-feira, 31 de março de 2009 - 17:58Meus velhos papéis

MEUS VELHOS PAPÉIS

SÃO PAULO (como era quente…) – Faz dez anos que a F-1 desembarcou em Sepang, o lugar mais quente do universo. O primeiro GP da Malásia foi aquele que marcou a volta de Schumacher às pistas, depois de consertar a perna. Ele fez uma das maiores corridas de sua vida, entregando a vitória a Eddie Irvine no fim, já que o irlandês lutava pelo título com Mika Hakkinen.

Quem também chegou a brigar, matematicamente, foi Heinz-Harald Frentzen, da Jordan, que depois virou Midland, depois Spyker e, hoje, é a Force India.

A Jordan era uma equipe divertidíssima, a que mais faz falta na F-1 ao lado da Minardi. Esse release ao lado, cortesia dos meus velhos papéis, é do sábado daquela corrida. Damon Hill ficou em nono no grid e Frentzen, em 14º. O alemão reclamou que o protetor do cockpit se soltou e acertou sua cabeça por trás. Teve de usar o carro-reserva. Sim, há dez anos isso existia, carro-reserva. E existia também patrocinadores fumacentos, como a Benson & Hedges.

23 comentários

  1. Fabiano disse:

    1999 é minha temporada favorita da F1, (me desculpem os mais nostalgicos), os carros e seus patrocinios fumacentos (plagiando o post), a BAR que tinha um patrocinio de cada lado. Aquela McLaren linda, a propria Jordan.
    Era legal a criatividade tb nas pistas que as fumaças não podiam aparecer, “Buzzing & Hornets” ahahahaha

  2. Eduardo disse:

    A melhor lembrança que eu tenho dessa corrida foi a ultrapassagem “na marra” que o David Coulthard fez sobre o Michael Schumacher.

    Foi sensacional!

  3. ALEX B. disse:

    Eu preciso ser, esta metamorfose ambulante…Então a FI é mesmo o Camaleão da F-1!!
    Valeu Indy Gomov, pelo senhor dos Corcéis, espetacular o acervo dele, nem a Ford deve ter parecido!!

  4. Ainnem Agon disse:

    Você imprimiu o quê atrás deesse release?

  5. Paulo R. Filomeno disse:

    Interessante seus papéis… dá pra ver que as empresas de telecomunicações não tiveram muita sorte daquele tempo até aqui. Lucent Technologies neste e MCI WorldCom no post da Stewart. Eram duas empresas que se alguém naquela época, dissesse que em menos de 8 anos ambas não existiriam mais, esse alguém seria internado como louco.

  6. Flávio, uma pergunta, hoje, esses informativos das equipes ainda são distribuídos em papéis ou só por e-mail ?
    Obrigado.

  7. vito disse:

    é.. se não fosse esse acidente que lhe quebrou a perna, não tenho dúvida que schumacher seria octacampeão do mundo.. e ele bem que merecia..

  8. Leonardo Felix disse:

    Desde 98 torcia pela Jordan. Eu gostava do Damon Hill (tem gente que gosta de Lada, por que eu não posso gostar do Damon Hill?), e quando ele foi para a equipe de carros amarelos com desenhos excêntricos, passei a torcer freneticamente por eles. Até porque, o capacete do Hill combinava com o carro.

    A vitória em Spa 98 foi incrível para mim. A temporada de 99 foi horrível para Hill (deveria ter se aposentado no fim de 98, com a moral lá em cima), mas o fato de Frentzen ter “disputado” o título como azarão foi muito legal. Torci por ele. Pena que a utopia acabou com a quebra durante o gp da Europa, quando o alemão liderava com folga. Se ganhasse aquela corrida, empataria com os líderes. A corrida malaia só enterrou de vez as chances de Frentzen.

    Apesar de Hill ter se aposentado ao fim de 99, continuei torcendo pela Jordan. Vivi anos de muita expectativa em 2000 e 2001, quando a equipe prometia se tornar grande, mas acabou encolhendo. Depois, a partir de 2002, acompanhei de perto o fim agonizante da Jordan, que cada vez encolhia mais e ficava mais próxima da rabeira do grid, mesmo com o último suspiro, aquela vitoria maluca do Fisichella no Brasil em 2003.

  9. Rafael disse:

    Maneiro…pdoem falar mal, mas as marcas de cigarro ficavam sensacionais nos carros…

  10. amaro juvenal disse:

    e pensar a o IRVINE ja disputou titulo Mundial

    dpois tem gente q duvida q o Rubinho seria campeão se o Schumacher nao fosse sue companheiro d equipe

  11. Rodrigo Fernando Dell'Antonio Goulart disse:

    Vai para o Tocantins que vais ver o que é calor!

  12. victor freire disse:

    “(a propósito, por que é tão difícil achá-los no Brasil? West, B & H, Gitanes, Winston e Gold Leaf existem na Argentina e aqui não!)”

    a argentina sempre teve uma cultura de valorização do fumo maior que a nossa. e se me permite o comentário antitabagista, eu não sinto falta alguma dela.

  13. carlos eduardo disse:

    Flávio poderia me passar seu e-mail, não consegui encontrar em lugar nenhum da pagina…

  14. Hugo Becker disse:

    A Jordan era demais, sempre com carros muito bonitos com o dourado/amarelo dominante da Benson & Hedges (a propósito, por que é tão difícil achá-los no Brasil? West, B & H, Gitanes, Winston e Gold Leaf existem na Argentina e aqui não!) e sempre com carrinhos competitivos, exceto dois últimos…

    Bons tempos.

  15. beri sergio disse:

    oi flavio gomes conversei c vc domingo sobre a corrida de stock car no caninde lembra,me escreva ok,abracos beri de interlagos

  16. J. N. Dias disse:

    A Marlboro ainda patrocina a Ferrari, mas onde a lei antitabagismo impera, a marca não aparece.

    E a Jordan faz falta, sim, era uma equipe guerreira que de vez em quando surpreendia. A Minardi só tá fora da F-1, mas na GP2, na Indy e em alguma outra categoria de base, lá está o time de Paul Stoodart. Sem falar do show com os F1 cabine dupla.

  17. Pablo disse:

    Oi Flávio!
    Sou leitor assíduo de seu Blog e acho muito legal esta seção de seus “velhos papéis”.
    Lendo este post, deixo uma idéia que me ocorreu: um post (ou matéria do Grande Prêmio) sobre a “genealogia” da F1.
    Talvez a idéia não seja original, mas deixo aí a sugestão.
    Abraços

  18. Rodrigo Moraes disse:

    Flávio, por obséquio: por que o carro-reserva é chamado de carro T?

  19. JackSpeed disse:

    caramba lembro dessa corrida!o Schumacher chegou meio enferrugado ainda e meteu logo a pole,fez gato e sapato das mclaren-mercedes e mostrou quem seria o campeao nao fosse o acidente em silverstone,alias o que me chama atençao no alemão voador alem dos titulos ganhos foram os titulos perdidos,97,98,99 e 2006,nesses anos o alemao deu varios vacilos,perdendo por bobagem.

  20. Renan do Couto disse:

    o nº do chassi é o nº de chassis que foram fabricados??
    usaram 5 o ano inteiro??

  21. Fabio Mantovani disse:

    É. O dinheiro do tabaco tá fazendo muita falta…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>